Opositor russo Alexei Navalny em estado grave com suspeita de envenenamento

Imagem meramente ilustrativa

20 de agosto de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

O mais destacado líder da oposição russa Alexei Navalny foi internado nesta quinta-feira, 20, em estado grave num hospital na Sibéria, com suspeita de envenamento, depois de sentir-se mal durante um voo proveniente de Tomks.

A porta-voz do opositor ao Presidente Vladimir Putin, Kira Yarmysh, revelou que Navalny começou a transpirar e perdeu a consciência depois de ter ido à casa de banho, o que obrigou o avião a fazer uma aterragem de emergência em Omsk.

"Tenho certeza de que foi um envenenamento intencional", declarou Yarmysh à rádio Eco de Moscovo, acrescentando que ele "permanece inconsciente" e utiliza um respirador artificial.

Um dos responsáveis do hospital onde ele se encontra, Anatoliy Kalinichenko, afirmou que, embora o seu estado de saúde seja grave, encontra-se estável, de acordo com a Associated Press.

O médico não avançou qualquer causa devido a uma legislação que impede os profissionais de saúde de se pronunciarem sobre doentes, mas a porta-voz reitera que Alexei Navalny foi "envenenado com algo misturado no chá", que tomou no aeroporto.

"Foi a única coisa que ele bebeu durante a manhã e os médicos afirmam que o veneno foi absorvido rapidamente através do líquido quente", acrescentou Kira Yarmysh.

O diretor do Departamento Jurídico da fundação anticorrupção comandada por Alexei Navalny, Vyacheslav Gimadi, afirmou numa rede social que "não há dúvidas de que Navalny foi envenenado por sua posição e suas atividades políticas".

Ele anunciou que os advogados do opositor solicitaram uma investigação por tentativa de assassinato de pessoa pública.

Moscovo deseja melhoras

Entretanto, o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, desejou hoje uma "recuperação rápida" a Alexei Navalny e lembrou ser necessário confirmar um envenenamento com testes de laboratório.

Ele admitiu que, caso Navalny o deseje, as autoridades russas ponderariam que ele fosse tratado noutro país.

Fonte