Oposição quer impeachment; base aliada defende presidente Temer

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

25 de novembro de 2016

A saída de Geddel Vieira Lima da Secretaria de Governo, na manhã de hoje (25), repercutiu entre parlamentares da oposição e da base de apoio ao governo no Congresso Nacional. Geddel era responsável pela articulação entre o governo e o Congresso.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) disse que vai protocolar um pedido de impeachment do presidente Michel Temer na próxima segunda-feira (28), por considerar que o episódio envolve o chefe do governo em crime de responsabilidade. Para Lindberg, o presidente pressionou o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, para que este liberasse a construção de um edifício de alto padrão em Salvador no qual o ministro Geddel adquiriu um imóvel.

“Vamos entrar com pedido de impeachment porque houve crime de responsabilidade, tráfico de influência, ele desmoralizou a instituição da Presidência da República”, disse o senador, acrescentando que está conversando com movimentos sociais e representantes da sociedade civil sobre o pedido.

Enquanto discursava no plenário, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) falou sobre a saída de Geddel e disse que o governo vive uma crise que pode prejudicar a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, que cria um limita para os gastos públicos pelos próximos 20 anos, e tem votação prevista para a próxima semana.

“Temos duas grandes tarefas para a próxima semana. A primeira é impedir que a PEC seja discutida e votada na terça-feira [29]. Antes de se resolver essa crise que envolveu a Presidência da República, não há condições de discutir uma matéria de tal implicação para o povo brasileiro. A segunda [tarefa] é discutir com nossos pares e iniciar aqui procedimentos para que o Brasil tenha eleições diretas para a sucessão de Michel Temer”, disse Gleisi.

Base aliada[editar]

Na opinião do senador Aécio Neves (PSDB-MG), o presidente Temer não exerceu qualquer pressão sobre o ex-ministro Marcelo Calero, para favorecer Geddel no episódio. “Não vejo dessa forma. Li nos jornais que o presidente da República sugeriu que esse processo fosse encaminhado para a AGU [Advocacia-Geral da União] para dirimir as dúvidas que pudessem existir ali. Se o presidente tivesse feito uma determinação para que se pudesse resolver o problema, seria diferente”, afirmou Aécio, ao participar de um evento do PSDB na Câmara dos Deputados.

Sobre as informações de que o ex-ministro da Cultura teria gravado uma das conversas que teve com Temer, o senador disse também que seria um fato “extremamente grave” e “inaceitável”. “É passível de punição um servidor público entrar no gabinete do presidente, num cargo de confiança, e gravar o presidente”, afirmou Aécio. O senador ressaltou, porém, que, tanto ele quanto o PSDB entendem que o episódio não atinge o presidente da República.

Para o líder do governo no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), a saída de Geddel não vai dificultar a pauta de votações de interesse do governo no Congresso. “As votações não serão prejudicadas, uma vez que aquilo que o governo propôs e está tramitando aqui no Senado é aquilo que corresponde às necessidades do país e que tem o apoio não apenas do Senado, mas da população brasileira. É importante avançarmos num caminho de reformas sob pena de não sairmos da crise que estamos vivendo”, afirmou o líder do governo.

Partidos[editar]

Em nota assinada pelo líder do governo no Congresso Nacional, senador Romero Jucá (PMDB-RR), o PMDB (partido de Geddel e do presidente Temer) “lamenta que o governo perca, neste momento, um político experiente e que estava dando uma importante contribuição no cargo que ocupava”.

A bancada do PT na Câmara dos Deputados também divulgou nota na qual diz que o pedido de renúncia de Geddel “não elimina a necessidade de investigação dos atos irregulares cometidos por ele, por outros ministros e pelo próprio presidente Michel Temer”. A bancada petista Informou ainda que vai requerer à Polícia Federal cópia do depoimento de Calero para análise e identificação de eventuais crimes cometidos.

Em nota, o PSOL informou que vai protocolar, na próxima segunda-feira (28), pedido de impeachment do presidente Temer, sob o argumento de que ele interveio junto ao ex-ministro Marcelo Calero em favor de interesses de Geddel e, assim, teria cometido crime de responsabilidade.

Caso[editar]

Após pedir demissão na última sexta-feira (18), o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero deu entrevista dizendo que foi pressionado por Geddel para liberar a construção de um edifício de alto padrão em Salvador, o ministro-chefe da Secretaria de Governo adquiriu um imóvel. O empreendimento foi embargado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por estar localizado em área tombada como Patrimônio Cultural da União.

Na quarta-feira (23), em depoimento na Polícia Federal, Calero teria dito que o presidente Michel Temer o havia pressionada e sugerido uma saída por meio da Advocacia-Geral da União (AGU) para o caso.

Por intermédio do porta-voz Alexandre Parola, o presidente Michel Temer disse que buscou "arbitrar conflito" entre Marcelo Calero e Geddel Vieira Lima. Segundo o porta-voz, Temer negou ter pressionado Calero por uma saída do caso.

Notícia Relacionada[editar]

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati