Operação de resgate de reféns na Colômbia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Panorâmica de San José del Guaviare, na Colômbia, onde os helicópteros fizeram escala, antes de resgatar os reféns das FARC.

27 de fevereiro de 2008

Conforme o canal venezuelano Globovisión, a operação de entrega de quatro reféns da guerrilha das Farc começou nesta quarta-feira de manhã, com a saída de dois helicópteros a partir do aeroporto venezuelano de Santo Domingo (650 quilômetros de Caracas), rumo ao ponto na Colômbia fixado pelos guerrilheiros para entregar os libertados.

Os helicópteros, com o emblema da Cruz Vermelha Internacional, devem buscar num ponto entre as localidades rurais colombianas de Guaviare e El Retorno os ex-congressistas Gloria Polanco, Orlando Beltrán, Luis Eladio Pérez e Jorge Géchem, para levá-los à Venezuela. Os familiares dos reféns estão em Caracas.

Os dois helicópteros venezuelanos chegaram ao aeroporto de San José del Guaviare, no sudeste da Colômbia, para a missão humanitária. Estão sendo reabastecidos com combustível e logo seguiram rumo à selva, onde encontraram os políticos sequestrados.

Localização do departamento de Guaviare, local onde ocorreu a entrega dos reféns.

As duas aeronaves decolaram para a missão de resgate às 14h30 (12h30 de Brasília) do aeroporto de San José de Guaviare, na Colômbia, capital da região 400 quilômetros ao sul de Bogotá.

Em um dos helicópteros estavam o ministro venezuelano do Interior, Ramón Rodríguez Chacín, que coordena a operação, e a senadora colombiana Piedad Córdoba, segundo a Globovisión.

Os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertaram os quatro políticos do país que eram mantidos reféns havia seis anos e os entregaram a uma delegação da Venezuela, após um acordo intermediado pelo presidente Hugo Chávez, conforme anunciou a Cruz Vermelha nesta quarta-feira.

A libertação ocorreu em uma área do Departamento de Guaviare, onde as forças da Colômbia suspenderam suas operações militares por 12 horas.

As Farc também anunciaram, em comunicado lido pela venezuelana Rádio Caracol, que não farão mais libertações unilaterais de reféns até que o governo colombiano aceite desmilitarizar dois povoados de Valle del Cauca.

A guerrilha destacou que a libertação "é a conquista da persistência humanitária e da sincera preocupação com a paz da Colômbia" do presidente venezuelano, Hugo Chávez, e da senadora opositora colombiana Piedad Córdoba. "Agora deve continuar a desmilitarização de Pradera e Florida por 45 dias, com presença guerrilheira e da comunidade internacional como fiadores para pactuar com o governo (colombiano) nesse espaço a libertação dos guerrilheiros e dos prisioneiros de guerra."


Fontes