Ofensiva militar do Paquistão é suspensa no Ramadã

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

4 de setembro de 2008

Paquistão

O Governo do Paquistão decidiu no sábado, dia 30 de agosto, interromper a operação militar em áreas tribais durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã. Não haverá nenhuma operação a partir da noite de 31 de agosto até 2 de outubro, no entanto, as forças de segurança estão preparadas para lidar com os militantes usando pleno vigor, se os militantes tirar a partir das vantagens do cessar-fogo.

O governo do Paquistão decidiu sobre a suspensão para permitir a civis deslocados perto da fronteira do país com a República Islâmica do Afeganistão para regressarem às casas para o mês de longo período de jejum, o que é esperado para começar em 1º de setembro. Na fronteira do Paquistão com o Afeganistão é alta os extremistas islâmicos e tem sido o local dos recentes confrontos mortais entre as forças de segurança paquistanesas e militantes. Desde então, militantes islâmicos voltaram a retaliar e o país é abalado por vários atentados a bombas suicidas.

Do Paquistão, de cinco meses no primeiro governo, tentou paz conversações com militantes, mas os esforços foram infrutíferos em última instância. Ele revelou a força nas últimas semanas, mesmo indo tão longe como a utilização de poder aéreo à greve dos insurgentes.

O início exato do Ramadã depende da observação da lua nova. Os muçulmanos são obrigados a abster de comer e beber de madrugada ao entardecer. O governo irá permanecer cessar-fogo no local até o segundo dia de Eid ul-Fitr, que anuncia o fim do mês de jejum com três dias de festas e celebrações


Fontes