Obama defende desenvolvimento económico, democracia e liberdade de expressão em África

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Etiópia.

Agência VOA

E “nada mais irá desbloquear o potencial de África senão a eliminação do cancro da corrupção”.

28 de julho de 2015

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, terminou hoje a sua visita a África com uma intervenção na sede da União África, em Adis Abeba (capital da Etiópia), na qual defendeu maior aposta no desenvolvimento económico, democracia e liberdade de expressão.

Com esse ato, Barack Obama tornou-se no primeiro presidente americano em exercício a discursar na União Africana, um marco do seu interesse em ver o continente na rota de desenvolvimento económico.

“É já altura de colocar de lado os velhos estereótipos de uma África sempre mergulhada na pobreza e conflitos e reconhecer o seu progresso extraordinário,“ disse Obama.

Obama realçou a contribuição americana nas conquistas de África, que incluem a redução de infecções por HIV, o vírus que causa a SIDA, e a redução da pobreza.

Destacou o esforço para a melhoria do comércio e iniciativas americanas orientadas para a segurança alimentar, aumento do acesso à electricidade e apoio ao empreendedorismo africano.

Obama disse que os Estados Unidos querem incrementar o comércio com países africanos, tendo sido sinal disso a renovação, por dez anos, da iniciativa AGOA, que permite a colocação de produtos africanos no mercado americano.

De momento, os Estados Unidos tem fortes parcerias comerciais com três países do continente: África do Sul, Nigéria e Angola. A área de energia é a mais activa, mas, segundo Obama, é preciso diversificar e aumentar o número de países.E para tal, que missões americanas têm procurado oportunidades em países como Tanzânia, Etiópia e Moçambique.

Sem mencionar a China, o presidente Obama sublinhou que as relações económicas não podem simplesmente se resumir em outros países construírem infra-estruturas com mão-de-obra estrangeira ou na extracção de recursos naturais de África.

Para Obama, “as verdadeiras parcerias económicas deverão ser um bom negócio para África. Deverão criar emprego e capacitar os africanos”.

O líder Americano lamentou que o impressionante progresso de África está numa base frágil, com milhões de africanos ainda vivendo na pobreza extrema, sem acesso à infra-estruturas básicas.

Obama repetiu que nada mais irá desbloquear o potencial de África senão a eliminação do cancro da corrupção.

“Se alguém deve subornar para começar um negócio ou ir à escola ou para um funcionário fazer o seu trabalho, essa não “uma maneira (de ser) africana”. Isso mina a dignidade do povo que vocês representam”, disse Obama.

O presidente Obama foi aplaudido quando disse que o progresso de África dependia da democracia, que não se pode limitar no acto de realizar eleições formais.

“Quando os jornalistas são colocados atrás das grades por fazer o seu trabalho, ou os activistas são ameaçados quando os governos reprimem a sociedade civil, tens a palavra democracia escrita, mas sem substância”, disse.

E a audiência riu quando ele disse que não compreende os líderes africanos que recusam deixar o poder no fim dos seus mandatos. Deu o exemplo do seu próprio mandato que está próximo do fim e que segundo a constituição americana não pode concorrer, “mesmo pensando que seria capaz de ganhar.”

No final, Obama falou da importância de investir na educação e saúde dos jovens, raparigas e mulheres. Disse que os Estados Unidos irão apoiar um programa que ajudará raparigas de dez países africanos a crescer sem HIV e estudar para libertar o seu potencial.

Os países em causa são Quénia, Lesotho, Malawi, Moçambique, África do Sul, Swazilândia, Tanzania, Uganda, Zambia e Zimbabwe.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati