ONU vai investigar possíveis violações de direitos humanos de Israel em Gaza

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

12 de janeiro de 2009

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou hoje (12) uma resolução condenando a operação de Israel na Faixa de Gaza e decidiu enviar uma missão para apurar possíveis violações de direitos humanos cometidas no território palestino, informou a ONU no seu site de notícias. Na votação, apenas o Canadá votou contrário à resolução, enquanto 33 dos 47 membros do Conselho votaram a favor e 13 se abstiveram.

Com a aprovação do documento, o conselho pediu que Israel suspenda imediatamente os ataques e retire suas forças de Gaza. Na resolução, o órgão também requisitou ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, investigar os ataques contra alvos das Nações Unidas em Gaza, incluindo escolas, que resultaram na morte de dezenas de civis palestinos. Nesta quarta-feira (14), Ban Ki-moon inicia uma visita ao Oriente Médio, como parte dos esforços diplomáticos para terminar com o conflito na Faixa de Gaza.

A alta comissária da ONU para Direitos Humanos, Navi Pillay, ressaltou no seu discurso no conselho, na sexta-feira (9), que os direitos humanos internacionais devem ser aplicados em qualquer circunstância e chamou as partes envolvidas no conflito a “cumprir com suas obrigações sob a lei humanitária internacional de recolher, cuidar e evacuar os feridos e proteger e respeitar os trabalhadores de saúde, hospitais, unidades médicas e ambulâncias”.

Segundo informações divulgadas pela BBC Brasil, hoje (12), forças de Israel estão avançando para as áreas mais povoadas da Faixa de Gaza, com as unidades reservistas que foram enviadas para o território palestino. “Como a maioria dos militantes do [grupo palestino] Hamas está escondida nas áreas urbanas, estamos operando nestes locais”, disse a porta-voz do Exército, Avita Leibovich.

De acordo com o Exército, os reservistas estão sendo usados para assegurar o controle de áreas conquistadas pelos soldados e permitir o avanço da linha de frente. Os militares israelenses confirmaram ter realizado 12 ataques aéreos contra a Faixa de Gaza na última madrugada. Há relatos de que pelo menos nove foguetes foram lançados contra Israel a partir de Gaza no início da manhã.

Autoridades dos serviços de saúde palestinos afirmam que pelo menos cinco pessoas morreram nos ataques de hoje, elevando o total de palestinos mortos no conflito para mais de 900. Segundo o último balanço do Ministério da Saúde da Palestina, 883 palestinos já tinham morrido desde o início da operação israelense, em 27 de dezembro. Entre eles, estariam 85 mulheres e 284 crianças, além dos mais de 4 mil feridos. Além disso, a agência da ONU para os refugiados no Oriente Próximo (UNRWA, na sigla em inglês) informou que cerca de 21.500 pessoas já ficaram desalojadas por conta do conflito.

Fontes