ONU rejeita resolução que pedia a retirada de Israel de territórios palestinos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

30 de dezembro de 2014

Brasil

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) não aprovou hoje (30) a resolução que pedia a retirada de Israel dos territórios palestinos até 2017. O texto, submetido pela Jordânia, teve 8 votos a favor, 2 contra e 5 abstenções, sendo que necessitava de 9 votos favoráveis para ser aprovado e ainda que nenhum dos cinco países permanentes do Conselho de Segurança votasse contra o texto.

Além da Jordânia, votaram favoravelmente pela resolução o grupo árabe da ONU, a Argentina, o Chade, Chile, a China, França, Luxemburgo e a Rússia. Os Estados Unidos e a Austrália votaram contra, e os representantes do Reino Unido, da Lituânia, Nigéria, Coreia e de Ruanda abstiveram-se.

O rascunho da resolução foi formalmente apresentado ao conselho há menos de duas semanas, mas os Estados Unidos recusaram logo apoiar a estipulação de um prazo para que seja alcançado um acordo de paz final com Israel. A resolução apontava um prazo de 12 meses para a conclusão das negociações para um acordo final e apelava a Israel para se retirar dos territórios palestinos até o final de 2017.

O acordo conduziria à criação do Estado palestino, com Israel partilhando Jerusalém como capital, de acordo com o texto. A pressão para que seja reconhecido o Estado palestino como parte do acordo de paz final com Israel, defendido pelos palestinos, surge a uma altura em que cresce a preocupação da comunidade internacional quanto à violência na região e recrudescem os problemas no reinício das negociações entre as duas partes.

Diversos parlamentos de países europeus, incluindo Portugal, aprovaram recentemente resoluções não vinculativas defendendo que os respetivos governos reconheçam a Palestina como Estado. O Parlamento Europeu também aprovou, há duas semanas, em Estrasburgo, na França, uma resolução na qual “apoia, por princípio, o reconhecimento do Estado palestino”, reafirmando o seu “apoio inequívoco” à solução de coexistência de dois Estados, Israel e Palestina.

As Nações Unidas já alertaram para um possível regresso ao conflito caso os esforços para promover a paz não sejam retomados. Os Estados Unidos, principal aliado de Israel, têm apelado à realização de mais consultas para a resolução das Nações Unidas, enquanto a Palestina, que tem desde 2012 o estatuto de Estado observador da ONU, já se afirmou disponível para negociações para alcançar o consenso dos 15 países que pertencem ao Conselho de Segurança.

Israel e Palestina estiveram em guerra no verão passado, durante 50 dias, que causou quase 2.200 mortos entre os palestinos, a maioria civis, e cerca de 70 mortos entre os israelenses, quase todos soldados, em um conflito que provocou uma grande destruição em Gaza.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati