ONU quer parceria com o Brasil para melhorar tratamento de usuários de drogas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

24 de março de 2010

Brasil

O governo brasileiro recebeu hoje (24) representantes do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). A missão internacional tem o objetivo de discutir um programa global conjunto voltado para a promoção do acesso ao tratamento e à assistência integral e humanizada para usuários de álcool e outras drogas.

De acordo com o representante do Escritório Regional do Unodc para o Brasil e Cone Sul, Bo Mathiesen, o debate precisa envolver a atenção integral ao usuário de drogas, por meio do respeito aos direitos humanos.

“Trata-se da ampliação da perspectiva de futuro dessas pessoas, que têm uma doença tratável, mas que, muitas vezes, são marginalizadas. É preciso que governos, organismos internacionais e sociedade civil atuem em conjunto”, afirmou. Mathiesen destacou desafios a serem considerados no cenário brasileiro, como o fato de o país fazer fronteira com três grandes produtores de cocaína – a Colômbia, o Peru e a Bolívia.

Para o representante do Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas do Ministério da Saúde, José Luiz Telles, a cooperação internacional é fundamental, porque significa a união de esforços em busca de medidas para diminuir, por exemplo, o consumo de crack no país.

“Alcançamos um patamar razoável de assistência à saúde [dos usuários de drogas], mas sempre desejamos mais”, acrescentou.

O representante da Assessoria Internacional do ministério, Eduardo Botelho Barbosa, considera o tema “um verdadeiro desafio civilizatório” e destacou que é preciso ter consciência de que se trata de um problema de saúde pública global.

Ele reconheceu a necessidade de um olhar inovador sobre o cenário das drogas no país e avaliou que é preciso repensar as atuais abordagens. “Enfatizar o tratamento já é um passo importante, um desdobramento positivo porque representa uma abordagem inovadora”, disse. “Temos que levar em conta as peculiaridades que existem no Brasil, políticas que o governo já desenvolveu”, completou.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati