ONU pede libertação de opositores detidos "arbitrariamente" na Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de outubro de 2014

ONU

O Alto Comissariado das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos expressou hoje (20) preocupação com a detenção de opositores pelo governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro durante os protestos nas ruas do país a partir de fevereiro de 2014. O alto-comissário da organização, Zeid Ra’ad Al Hussein, chamou as prisões de arbitrárias e pediu a liberação imediata do político opositor Leopoldo López e de cerca de 70 pessoas presas durante as manifestações.

Nicolás Maduro

“A prolongada e arbitrária detenção de opositores políticos e manifestantes na Venezuela está causando cada vez mais inquietude em nível internacional”, disse Hussein, acrescentando que “esta situação apenas exacerba a tensão no país”. O Alto Comissariado para os Direitos Humanos recebeu a informação de que mais de 3.300 pessoas foram detidas por curtos períodos entre fevereiro e junho por participação em manifestações por todo o país, inclusive adolescentes. Pelo menos 43 pessoas morreram durante os protestos, entres elas, um fiscal e nove membros das forças de segurança venezuelanas.

O político Leopoldo López liderou o início dos protestos. Ele foi preso, entre outras acusações, por terrorismo e homicídio. Hussein pediu hoje para que as autoridades venezuelanas atuem de acordo com as posições do Grupo de Trabalho sobre Detenções Arbitrárias e liberem imediatamente López , Daniel Ceballos, ex-prefeito de San Cristóbal, e “todos aqueles detidos por exercer seu legítimo direito de se expressar e protestar pacificamente”.

Hussein, que recebeu na semana passada a esposa de López, Lilian Trintori, para discutir a situação dos detidos e suas famílias, disse que seu escritório recebeu reiteradas denúncias de ataques e intimidação dirigidos aos que trabalham na defesa dos direitos humanos na Venezuela. Ele ressaltou que “está extremamente preocupado pela situação atual” e que continuará observando tudo “cuidadosamente”.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati