ONU pede US$ 2,5 bilhões para enfrentar crise global dos alimentos

Attention niels epting.svg
Como parte da política de proteção do Wikinotícias, esta notícia está protegida.

29 de abril de 2008

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Organização das Nações Unidas (ONU) e o Banco Mundial anunciaram, nesta terça-feira (29), que vão criar uma força-tarefa para combater a alta sem precedentes dos preços de produtos alimentares em escala mundial. O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu nesta terça-feira que a comunidade internacional doe US$ 2,5 bilhões com o objetivo de enfrentar a crise dos alimentos.


'Se os fundos que solicitamos aos doadores não forem plenamente cobertos, corremos o risco de presenciar ainda mais o aumento da fome, da desnutrição e do surgimento de distúrbios sociais em uma escala sem precedentes'

—Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU

O diretor do Banco Mundial, Robert Zoellick, assegurou que "as próximas semanas serão críticas", e disse que o Banco pretende criar um fundo para financiar a agricultura nos países mais pobres. Zoellick pediu que os países parem de impor restrições às exportações de alimentos como forma de combater a crise. Ele alegou que essas medidas só provocarão maiores elevações nos preços.

Já as organizações humanitárias Oxfam International e Care International rebateram os esforços, afirmando que a ajuda imediata para os países pobres, que sofrem os efeitos mais graves da crise alimentar no mundo, é insuficiente para lidar com a crise.

Fontes