ONU e grupos de direitos humanos exigem que talibãs libertem 2 jornalistas afegãos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

2 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Talibã prendeu dois jornalistas que trabalhavam para um canal de notícias local no Afeganistão, que viu um aumento nos ataques a dissidentes desde que o grupo islâmico assumiu o poder em agosto passado.

As prisões ocorrem dias depois que duas ativistas desapareceram na capital, Cabul, em meio a acusações de que estão sendo detidas pelo Talibã.

Defensores da liberdade de imprensa local alegaram que os repórteres da TV Ariana Waris Hasrat e Aslam Hijab foram detidos pelas forças do Talibã na tarde de segunda-feira enquanto saíam do escritório para almoçar na capital.

“O motivo da prisão desses repórteres ainda não está claro”, disse o Free Speech Hub, um grupo afegão independente que trabalha pela liberdade de imprensa, em um comunicado.

A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA) exigiu na terça-feira que os talibãs abordassem a detenção dos jornalistas e deixassem claro o paradeiro das ativistas desaparecidas.

“Crescente preocupação com as restrições à mídia e à liberdade de expressão. A ONU pede que o Talibã torne público por que eles detiveram esses repórteres da @ArianaNews_ e que respeitem os direitos dos afegãos”, disse a UNAMA no Twitter.

Autoridades do Talibã ainda não comentaram sobre o incidente. Funcionários da TV Ariana disseram que o Talibã “nos garantiu uma investigação abrangente”.

A Anistia Internacional exigiu na terça-feira que os governantes islâmicos “incondicional e imediatamente” libertassem os dois jornalistas.

“A prisão arbitrária de dois jornalistas da Ariana News pelo Talibã é injustificável. Tais ataques crescentes à liberdade de mídia são uma grave ameaça ao direito à liberdade de expressão”, escreveu a Anistia no Twitter. “A comunidade internacional deve apelar ao Talibã para acabar com as violações dos direitos humanos e responsabilizá-los”, disse o defensor dos direitos globais.

As ativistas desapareceram há duas semanas depois de participar de um protesto em Cabul pedindo os direitos das mulheres e denunciando a diretiva do Talibã para que as mulheres usem hijabs.

As autoridades do Talibã negaram saber do paradeiro das mulheres, dizendo que uma investigação está em andamento sobre o incidente.

O grupo islâmico reprimiu ativistas de direitos humanos, dispersou à força protestos contra seu regime e submeteu vários jornalistas à tortura por cobrir manifestações não aprovadas pelas autoridades.

Na semana passada, o Talibã impediu um grupo de defesa da mídia afegã de realizar uma entrevista coletiva em Cabul, atraindo condenação internacional. Os Estados Unidos e outros países ainda não reconheceram o Talibã como o governo de fato do Afeganistão.

A comunidade internacional tem pressionado o grupo islâmico para cumprir as promessas de que respeitará os direitos humanos, especialmente os das mulheres, e governará o país por meio de um governo de base ampla.

Mas os críticos dizem que o Talibã renegou seus compromissos e está lentamente reintroduzindo as restrições que haviam imposto às mulheres durante o regime anterior do grupo linha-dura em Cabul, de 1996 a 2001.

As supostas violações de direitos humanos desencorajaram governos estrangeiros a se envolverem diretamente com o Talibã, restaurando a ajuda financeira ao Afeganistão, removendo sanções internacionais e desbloqueando bilhões de dólares em ativos nacionais afegãos mantidos no Federal Reserve dos EUA.

Essas restrições financeiras mergulharam a economia afegã em uma turbulência sem precedentes, agravando uma já terrível crise humanitária no país devastado pela guerra.

A ONU disse em um relatório na semana passada que recebeu "alegações críveis" de que mais de 100 membros do ex-governo afegão foram mortos desde que o Talibã assumiu o país.

O relatório citou o secretário-geral da ONU, António Guterres, dizendo que “mais de dois terços” das vítimas supostamente resultaram de assassinatos extrajudiciais cometidos pelo Talibã ou seus afiliados, apesar do anúncio do Talibã de “anistias gerais” para aqueles afiliados ao o antigo governo e as forças de coalizão lideradas pelos EUA.

O Talibã rejeitou o relatório. “Depois de uma anistia geral, ninguém pode prejudicar ninguém”, afirmou o porta-voz, Zabihullah Mujahid. Se algum dos supostos assassinatos for resultado de vingança pessoal, eles investigarão e punirão os perpetradores, acrescentou Mujahid.

Fontes