ONU: empoderamento econômico feminino passa por educação de alta tecnologia

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de março de 2017

A educação de alta tecnologia para mulheres é meio fundamental para assegurar a participação feminina na atual economia digital, disse Lakshmi Puri, diretora executiva adjunta da Organização das Nações Unidas (ONU).

Em entrevista à Agência Xinhua, Puri afirmou que as mulheres precisam ser educadas com habilidades relacionadas à TIC (tecnologia da informação e comunicação), para ter acesso a empregos decentes e permanecer competitivas no mercado de trabalho. Educação em ciência, tecnologia, engenharia e matemática pode equipar as mulheres para atender às demandas do mercado de trabalho e capacitá-las economicamente, acrescentou.

O empoderamento econômico feminino foi o foco principal do Dia Internacional da Mulher, celebrado ontem (8). A data foi comemorada pela ONU com o tema "Mulheres no Mundo em Mudança do Trabalho: Planeta 50-50 até 2030", pedindo transformações em todos os países.

Puri disse ainda que o empoderamento econômico significa que as mulheres podem ter igual acesso à terra, à propriedade, a ativos e recursos produtivos, a serviços essenciais e infraestruturas. Isso também significa, segundo ela, que as mulheres podem ter as mesmas oportunidades de empregos decentes, treinamento ocupacional, bem como emprego pleno e produtivo. "Se não temos o empoderamento econômico das mulheres, não podemos capacitá-las para desfrutar de seus direitos iguais em outras áreas," observou.

Ela lembrou que as mulheres em todo o mundo enfrentam múltiplos desafios no local de trabalho, incluindo diferenças salariais em relação aos homens, estereótipos de gênero, segregação ocupacional e obstáculos na promoção.

As estatísticas do Banco Mundial mostram que, globalmente, as mulheres recebem menos do que os homens. Na maioria dos países, elas ganham, em média, apenas 60% a 75% dos salários masculinos. Além disso, assumem responsabilidade desproporcional em atividades não remuneradas: dedicam de uma a três horas a mais por dia ao trabalho doméstico.

Puri lembrou que o trabalho flexível para as mulheres, como o Uber, pode ajudá-las a encontrar o equilíbrio entre a vida profissional e familiar. Acrescentou que novas formas de trabalho podem gerar condições que aprofundam a disparidade de gênero, o que precisa ser evitado por meio de políticas bem projetadas.

Para a diretora da ONU, o setor privado precisa assumir maior responsabilidade de integrar a igualdade de gênero nas práticas, e o setor público deve fornecer o apoio correspondente.

Lakshmi Puri afirmou que o empreendedorismo feminino é o que a agência das Nações Unidas tem defendido para superar a diferença de gênero no mercado de trabalho. "Esperamos que o empreendedorismo se torne chave para empregar outras mulheres e criar novas oportunidades".

Para conseguir isso, os países precisam criar ambiente propício, com melhor apoio financeiro e técnico para ajudar as mulheres a iniciarem seus próprios negócios em todos os setores. "Esperamos que a economia atual possa ser transformada de maneira mais favorável para as mulheres, mais adaptável às necessidades e talentos femininos, criando assim a igualdade em todo o mundo".

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati