ONU: Mais de 300.000 civis mortos em 10 anos de guerra na Síria

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

29 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Mais de 300.000 civis foram mortos na Síria entre 1º de março de 2011, quando a guerra civil naquele país começou, e o final de março de 2021, informa o escritório de Direitos Humanos da ONU.

Uma nova análise estatística baseada nos dados disponíveis chegou a este número. Esta é a estimativa mais alta até o momento de mortes de civis relacionadas ao conflito na Síria. Cada uma das mortes de civis no relatório é documentada, incluindo o nome completo da vítima, a data e o local da morte.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, disse que os números de vítimas relacionadas ao conflito no relatório não são apenas um conjunto de números abstratos, mas representam seres humanos individuais.

Sua porta-voz, Ravina Shamdasani, disse que o alto comissário acredita que monitorar e documentar essas mortes é fundamental para ajudar famílias e comunidades a estabelecer a verdade sobre o destino de seus entes queridos. Isso lhes permitirá buscar responsabilidade e buscar soluções eficazes.

“Esta análise também dará uma noção mais clara da gravidade e da escala do conflito”, disse Shamdasani. “E sejamos claros, estas são as pessoas que foram mortas como resultado direto das operações de guerra. E isso não inclui muitos, muitos outros civis que morreram devido à perda de acesso a cuidados de saúde, alimentos, água e a outros direitos humanos essenciais.”

As Nações Unidas relatam que a guerra deslocou 13,5 milhões de pessoa. Isso é mais de dois terços da população da Síria de cerca de 18 milhões de pessoas. A ONU estima que 11 milhões de pessoas dentro da Síria precisam de assistência humanitária para sobreviver.

Os autores do relatório dizem que esse grande número de vítimas mostra uma falha grave das partes em conflito em respeitar os direitos humanos. Eles alertam que as mortes de civis continuarão a aumentar enquanto a guerra continuar.

Fontes