ONU: Educação interrompida para 222 milhões de crianças

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

22 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um estudo das Nações Unidas descobriu que 222 milhões de crianças e adolescentes em todo o mundo tiveram sua educação interrompida por múltiplas crises.

O Education Cannot Wait, o fundo global das Nações Unidas para a educação em emergências e crises prolongadas, produziu o estudo. Quando a organização foi criada em 2016, o número de crianças afetadas era de cerca de 75 milhões.

A diretora da ECW, Yasmine Sherif, diz que várias crises nos últimos seis anos aumentaram o número para 222 milhões em mais de 40 países.

O estudo constata que 78,2 milhões de crianças em todo o mundo abandonaram completamente a escola. Especialistas em educação dizem que é improvável que essas crianças retomem seus estudos, resultando em um impacto negativo em suas perspectivas e capacidade de ganho.

Sherif diz que visitou países onde a maioria das crianças está fora da escola e viu o que acontece com crianças em países em crise, como Mali, Chade, República Centro-Africana e Sudão do Sul.

"Quando você não vai à escola, você está muito exposto a ser - se você é um menino - recrutado à força para grupos armados, grupos terroristas, milícias, grupos governamentais", disse ela. "E, se você é uma menina, está exposta a se tornar parte de uma violência de gênero em casa, violência sexual, tráfico, casamentos prematuros e parto prematuro".

Sherif diz que os novos dados devem ser um alerta para todos os líderes e formuladores de políticas, pois mais crianças estão sendo deixadas para trás devido a crises. Ela diz que a comunidade internacional deve fazer mais para apoiar suas necessidades educacionais, ou haverá impactos negativos de longo alcance para o desenvolvimento humano e econômico.

Fontes[editar | editar código-fonte]