OEA vai voltar a discutir crise política em Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

10 de novembro de 2009

O conselho permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) convocou para hoje (10) uma reunião extraordinária em Washington, nos Estados Unidos, para discutir a crise política em Honduras. Na semana passada, o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, pediu a retomada do acordo.

Na frente do Congresso hondurenho, os manifestantes continuam em vigília pela volta de Manuel Zelaya à Presidência. Como as conversas não avançam entre os governos golpista e deposto, Zelaya criticou os Estados Unidos por rumores de que o país enviaria observadores para as eleições de Honduras, mesmo se o presidente deposto continuar cercado na Embaixada do Brasil, onde está abrigado. “Sentimos pelas últimas declarações que os Estados Unidos estão fraquejando em defesa da democracia e o governo norte-americano está demonstrando debilidade diante dos golpistas”, disse Zelaya.

Já o governo golpista, num comunicado, acusa Zelaya de se fazer de vítima e de mudar de atitude por causa do Grupo do Rio, que se mostrou descrente, na semana passada, em relação ao acordo para pôr fim à crise política. O ministro de Comunicação e Imprensa do governo de fato, René Zepeda, disse que “essa mudança de atitude por uma das partes coincide com o pronunciamento do Grupo do Rio, especialmente da [Aliança Bolivariana da América] Alba, que se mostram céticos em relação ao acordo.”

Mesmo com o impasse político, o Tribunal Superior Eleitoral hondurenho anunciou que o material para as eleições chega ainda nesta semana aos principais centros de votação do país. Ontem (9) os candidatos participaram de um debate sobre educação. O líder nas pesquisas, Porfírio Lobo, do Partido Nacional, disse que a saída para a crise política depende das eleições. “A solução está nas eleições, quando o povo terá a oportunidade de depositar o voto e escolher o presidente que irá governar o país”, afirmou Lobo.

Um dos candidatos, Carlos Reyes, que apoia Zelaya, anunciou a desistência de concorrer às eleições porque o presidente deposto ainda não voltou ao poder.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati