OEA faz sessão extraordinária para discutir situação em Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira de Honduras
Outras notícias sobre Honduras


Agência Brasil

3 de dezembro de 2009

A Organização dos Estados Americanos (OEA) anuncia amanhã (4) a posição adotada sobre as eleições realizadas no último domingo (29) em Honduras e a decisão de ontem (2) do Congresso Nacional de rejeitar a restituição do presidente deposto, Manuel Zelaya. O secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, convocou sessão extraordinária com os 35 integrantes do órgão exclusivamente para discutir a questão hondurenha.

Diplomatas, que acompanham as discussões, afirmam que a tendência é debater a questão da reconciliação nacional de Honduras que envolveria uma espécie de governo da unidade – ou de transição. Segundo eles, há vários aspectos que dificultam a posição de legitimar o processo em curso em Honduras. O presidente eleito hondurenho, Porfírio Lobo, o Pepe, afirmou que se dispõe a incluir Zelaya neste governo de unidade.

De acordo com os negociadores brasileiros, a decisão tomada ontem pelo Congresso Nacional de Honduras – 111 deputados foram favoráveis ao afastamento de Zelaya contra 14 que votaram pela sua restituição – influenciará nas discussões. Havia um acordo anterior, de outubro, no qual Zelaya e o presidente de fato, Roberto Micheletti, comprometaram-se a devolver o cargo ao presidente deposto até o dia 17 de janeiro. Mas o acordo tinha de ser aprovado pelos parlamentares, que o rejeitaram ontem.

Para alguns governos, como o do Brasil, o retorno do presidente deposto é condição fundamental para dar continuidade aos debates de reconhecimento das eleições e o governo de Honduras.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus assessores diretos afirmam que reconhecer as eleições hondurenhas é legitimar a ação do golpe de Estado ocorrido no dia 28 de junho, quando Zelaya foi deposto.

Desde o dia 21 de junho, Zelaya e um grupo de correligionários estão abrigados na embaixada do Brasil em Tegucigalpa. O presidente deposto reagiu à decisão do Congresso, embora, segundo interlocutores, já esperasse o resultado negativo sobre sua volta.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati