Nyusi institui auditoria às ajudas enviadas a Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

29 de março de 2019

Cresce o volume de ajuda a Moçambique para fazer frente às consequências do devastador ciclone Idai e, para garantir uma gestão transparente, o Presidente Filipe Nyusi anunciou que o Instituto Nacional de Gestão de Calamidades deverá contratar uma auditoria independente, publicar quinzenalmente informação sobre os donativos e, em associação com entidades estrangeiras, gerir a logística dos bens doados.

Por outro lado, o Governo decretou na quinta-feira, 28, a suspensão, até dezembro, de todas as taxas cobradas nos hospitais públicos nas regiões afetadas pelo ciclone, entre outras medidas de emergência.

"Na Saúde, vacinação de 800 mil pessoas contra cólera para evitar surtos explosivos, na educação, reimpressão e distribuição de livros escolares incluindo cadernos. Na energia, descontos de 50 por cento para os setores produtivos, nomeadamente para os agentes econômicos de indústria e comércio", anunciou o Presidente da República.

Aprender com o Idai

Entretanto, enquanto as águas vão secando, começa o processo de reconstrução de algumas infraestruturas e para as mesmas serem resistentes às futuras intempéries, a UN Habitat sugere que Moçambique atualize o regulamento de construção.

"Nós estamos precisando de uma atualização do Regulamento de Construção aqui em Moçambique que integra os padrões de resiliência lá dentro", disse o representante da UN Habitat.

E porque Moçambique é propenso a ocorrência de eventos ligados a mudanças climáticas, o meteorologista Acácio Tembe sugere a retirada das populações das zonas vulneráveis.

"É preciso trabalharmos nas nossas infraestruturas, primeiro é preciso retirar as pessoas da zona de risco e diminuir a vulnerabilidade porque as pessoas constroem casas mas são infraestruturas que não tem nenhuma dimensão em termos de sustentabilidade e começarmos a fazer infraestruturas resilientes", defendeu Tembe.

Os mais recentes dados oficiais indicam que o Idai causou a morte de 493 pessoas e, na sequência do mesmo, já foram detectados perto de 150 casos de cólera.

INGC revelou também que pelo menos 1.523 pessoas estão feridas, mais de 168 mil famílias foram afetadas e no total cerca de 840 mil pessoas sofrem, de uma forma ou outra, os efeitos da passagem do ciclone na região centro.

Quanto às infraestruturas, faltam contabilizar estradas e vias de acesso, bem como outras instalações públicas, mas, no que toca a casas, mais de 15 mil foram inundadas, 55.463 estão totalmente destruídas e 28.070 parcialmente destruídas.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati