No mundo todo, infecções fúngicas aumentaram a mortalidade de internados por covid-19

Fonte: Wikinotícias

31 de agosto de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Todos os dias inalamos milhares de esporos de fungos potencialmente patogênicos, mas nosso sistema imune simplesmente os elimina. Em pessoas que estão com a imunidade comprometida – como transplantados, pacientes em tratamento contra o câncer ou internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) –, porém, essa interação entre patógeno e hospedeiro pode ser bastante diferente.

Um exemplo são os casos de infecções fúngicas que emergiram durante a pandemia de covid-19 e potencializaram a ação do sars-cov-2 no planeta. Entre os pacientes acometidos com a forma grave da covid-19 e simultaneamente infectados pelo fungo Aspergillus fumigatus, a mortalidade chegou a 80%.

Um grupo internacional de pesquisadores realizou um apanhado da carga dessas coinfecções (coronavírus e fungos) no mundo durante a crise sanitária. O trabalho foi publicado na Nature Microbiology e traz alertas para essa e futuras pandemias.

Segundo o artigo, a aspergilose pode se limitar às vias aéreas superiores por muitos dias e ser contida com antifúngicos. Uma vez que invade os vasos sanguíneos do pulmão, porém, a mortalidade é maior do que 80%, mesmo se administrada terapia antifúngica sistêmica.

Fonte