No dia de combate à baixaria na TV, especialistas discutem a qualidade dos programas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

18 de outubro de 2009

Brasil


No dia dedicado ao combate à baixaria na TV, a coordenadora do projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, Isabela Henriques, afirmou que o fim do programa Eu Vi na TV, apresentado por João Kleber, que era exibido pela Rede TV, foi um marco do sucesso da campanha Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania, que hoje (18) completa quatro anos.

Apesar das conquistas, observa Isabela, é preciso que a sociedade participe mais do debate sobre o que é exibido na TV brasileira. “Em quatro anos, o movimento conseguiu muitas vitórias, como a retirada do programa de João Kleber. Foi um marco histórico”, disse a coordenadora do projeto Criança e Consumo, durante debate promovido pelas rádios Nacional e Nacional da Amazônia.

De acordo com a coordenadora do Instituto Alana - organização sem fins lucrativos que tem como missão fomentar e promover a assistência social, a educação, a cultura, a proteção e o amparo da população em geral - o programa de João Kleber exibia cenas de nudez e colocava telespectadores e participantes em situações constrangedoras. “Os anunciantes se conscientizaram e isso foi um ponto muito importante. A questão do financiamento chama muita atenção e o que aconteceu em relação ao programa foi muito importante, porque os anunciantes acabaram percebendo, naquele momento, que eles estavam participando e valorizando a baixaria”, argumentou.


Ainda temos muita baixaria, mas é importante ressaltar que existem jornais e veículos responsáveis. Sem dúvida, na TV, temos muitos programas que são apelativos, que expõem as pessoas e o público. A sociedade precisa se envolver no debate e exigir uma programação que tenha menos baixaria e seja mais responsável.

—Isabela Henriques

Professor sugere criação de prêmio para bons programas de TV

Mais importante do que apontar os programas que promovem a baixaria na televisão é dar destaque às iniciativas bem-sucedidas e que procuram valorizar a programação. A avaliação é do jornalista e professor da Universidade de Brasília (UnB) Luiz Martins da Silva, que participou de debate promovido pelas rádios Nacional e Nacional da Amazônia, em comemoração ao quarto ano da campanha Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania.

Para Martins, a maior divulgação dos bons programas terá um efeito pedagógico positivo perante à sociedade. “Ficamos muito preocupados em apontar as baixarias, há até o ranking da baixaria, mas falta alguma coisa para indicar os bons exemplos”, disse.

“Precisamos encontrar meios de salientar também o que é o bom exemplo. Em termos de didática, o mais difícil de levar às salas de aula são os bons trabalhos”, completou Martins, que sugeriu que fosse criado uma premiação nos moldes do prêmio Helder Câmara de Imprensa, que homenageia boas produções da televisão, rádio e jornais.

Brasil precisa criar órgão para fiscalizar programação das TVs, defende ouvidor da EBC

Para melhorar a qualidade dos programas exibidos na televisão brasileira o país precisa criar um órgão regulador com a função de mediar os interesses da sociedade e das emissoras. A avaliação é do ouvidor da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), o jornalista Laurindo Lalo Leal.

Em debate promovido pelas rádios Nacional e Nacional da Amazônia sobre a campanha Quem Financia a Baixaria é Contra a Cidadania, Lalo disse que o país não possuiu instrumentos jurídicos para fiscalizar o conteúdo das emissoras de televisão.


Não temos instrumentos [legais]. Infelizmente, com exceção das emissoras não comerciais, a maioria das grandes emissoras funciona de acordo com o mercado. Aqueles programas que dão mais audiência são colocados no ar e não há, para obtenção da audiência, outros critérios que não aqueles que buscam audiência a qualquer preço. As pessoas, às vezes, esquecem que é um serviço público que precisa ser acompanhado pela sociedade para que ele mantenha, de alguma forma, um nível de qualidade.

—Lalo

Para ele, o Brasil precisa seguir exemplo de países da Europa e também dos Estados Unidos, que possuem órgãos reguladores para acompanhar o que é veiculado nas empresas que possuem concessões públicas de comunicação.


É necessário que a sociedade se organize e a companha é um bom exemplo disso. É preciso que as pessoas se organizem para, de alguma forma, conquistar no início do século 21 algo que sociedades democráticas consolidadas, como nos Estados Unidos e na Europa, já fizeram no meio do século passado, que foi a criação de órgãos reguladores. Apesar do temor dessa palavra [reguladora], não se pode fugir dela. [Tem que se criar] um órgãos democrático, com a participação ampla e diversificada da sociedade para que se possa estabelecer, não controlar, uma mediação entre o público e os concessionários de comunicação. Sentir o pulsar da sociedade, saber o que ela precisa e fazer com que isso chegue aos veículos de comunicação. O Brasil está muito atrasado em relação a isso.

—Lalo

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com