Necessidades humanitárias na Ucrânia aumentam à medida que a crise se intensifica

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As agências de ajuda da ONU estão aumentando as operações humanitárias para ajudar os ucranianos cujas vidas foram prejudicadas desde que a Rússia invadiu o país.

A ofensiva russa lançou o país em turbulência. As agências de ajuda estão se esforçando para avaliar os perigos e as necessidades prioritárias e ajudar milhões de pessoas em um ambiente de extrema insegurança.

Os números preliminares de vítimas são assustadores. Em 24 de fevereiro, o escritório de direitos humanos da ONU disse ter recebido relatos de pelo menos 127 vítimas civis, incluindo 25 mortos e 102 feridos. A maioria dessas vítimas foi relatada em território controlado pelo governo nas regiões separatistas do leste da Ucrânia de Donetsk e Luhansk.

Shabia Mantoo é porta-voz do ACNUR, a agência da ONU para refugiados. Ela diz que houve deslocamentos e movimentos substanciais dentro do país e além das fronteiras desde o início da ofensiva.

“Existem mais de 100.000 pessoas que estimamos que deixaram suas casas e talvez estejam deslocadas dentro do país. E também temos conhecimento de vários milhares que cruzaram fronteiras internacionais na região. E vimos isso realmente acontecendo desde o início da situação.”

O ACNUR alerta que até quatro milhões de pessoas podem fugir para outros países se a situação se agravar.

O representante da Organização Mundial da Saúde na Ucrânia, Jarno Habicht, estava viajando quando começou a invasão russa. Ele está preso na Espanha porque o espaço aéreo na Ucrânia está fechado ao tráfego civil.

Ele mora na capital ucraniana, Kiev, há três anos e diz estar pessoalmente preocupado com a segurança, a saúde e o bem-estar das pessoas em todo o país.

Ele diz que há apenas uma semana, a equipe da OMS estava ampliando sua campanha de vacinação contra COVID-19 na Ucrânia. Ele diz que avanços estão sendo feitos para deter um recente surto de poliomielite e as reformas no sistema de saúde do país estão ganhando ritmo.

“Agora, nossas prioridades mudaram para o atendimento ao trauma, garantir acesso aos serviços, continuidade do atendimento, saúde mental e apoio psicossocial, mas também avançar em todas as reformas. Portanto, a resposta humanitária é nossa principal área crítica agora, onde precisamos garantir também que nossa saúde e resposta humanitária sejam protegidas”.

Em resposta à crise, a OMS liberou US$ 3,5 milhões de seu fundo de contingência de emergência para comprar e entregar suprimentos médicos urgentes.

Além disso, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, alocou US$ 20 milhões do Fundo Central de Resposta a Emergências.

No início deste ano, a ONU pediu US$ 190 milhões para ajudar 1,8 milhão de pessoas vulneráveis ​​em áreas governamentais e não governamentais no leste da Ucrânia.

Fontes