Números de vítimas de bombas de fragmentação cresce oito vezes em 2022

Fonte: Wikinotícias

6 de setembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O número de vítimas causadas por bombas de fragmentação aumentou cerca de oito vezes em comparação com o ano anterior, afirma um relatório divulgado ontem (5).

As Nações Unidas proíbem a utilização, posse e fabricação de munições cluster devido ao seu efeito letal, que espalha pelo menos dezenas de submunições sobre uma vasta área e inflige ataques indiscriminados.

A Cluster Munition Coalition (CMC), uma organização privada, afirmou que 1.172 vítimas, incluindo 353 mortes, foram causadas por bombas de fragmentação no ano passado, a maioria delas civis.

O número de vítimas é o mais elevado desde que a CMC começou a compilar o seu relatório anual, há 14 anos, afirma o relatório.

Ao contrário do passado, quando causava vítimas devido à explosão posterior de bombas não detonadas, afirma o relatório, a maioria das vítimas em 2022 ocorreu durante o lançamento. Afirmou também que a maior parte dos danos em 2022 foi causada na invasão da Ucrânia.

Atualmente, 111 países em todo o mundo aderiram à Convenção das Nações Unidas, mas os Estados Unidos, Rússia, China e a Ucrânia não participam.

Notícias relacionadas

Fontes