Morreu aos 78 anos, o carnavalesco Joãosinho Trinta

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

17 de dezembro de 2011

São Luís, MA, Brasil — Morreu no meio da manhã de hoje (17), em São Luís (capital do Maranhão), o carnavalesco João Clemente Jorge Trinta, mais conhecido como Joãosinho Trinta, aos 78 anos. Ele estava internado no Hospital UDI do Maranhão desde o dia 3 de dezembro por graves problemas de pneumonia e infecção urinária.

O Hospital UDI do Maranhão divulgou nota em que o carnavalesco Joãosinho Trinta morreu às 9hs55min (10ha55min, no horário de Brasília). Segundo a unidade de saúde, pneumonia e infecção urinária estão entre as causas da morte, no dia anterior, estava sedado e havia dúvidas se ele sobreviver, o que não ocorreu. O hospital divulgou nota em que confirma a morte.

No carnaval de 2012, a Beija-Flor de Nilópolis (escola onde Joãozinho Trinta ficou conhecido) homenageará os 400 anos de fundação de São Luís, cidade natal do carnavalesco.

Biografia

O carnavalesco Joãosinho Trinta gostava de luxo em suas criações, mas também criou polêmica na Passarela do Samba, no Rio de Janeiro. João Clemente Jorge Trinta nasceu em São Luís, no dia 23 de novembro de 1933. De família pobre, desde cedo construiu seus brinquedos. Até os 18 anos, viveu na capital maranhense, onde trabalhou como escriturário. Em 1951, deixou o Maranhão e foi para o Rio de Janeiro, para dedicar-se à dança no Teatro Municipal.

Fez parte do corpo de baile durante 25 anos, participando de montagens de óperas e balés. A carreira de carnavalesco de Joãosinho Trinta começou como assistente na Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro, em 1963. Dez anos depois, já era o titular. Ganhou o bicampeonato em 1974 e em 1975 com os enredos O Rei da França na Ilha da Assombração e O Segredo das Minas do Rei Salomão.

Em 1976, foi para a Beija-Flor de Nilópolis, onde ganhou os títulos de 1976, 1977, 1978, 1980 e 1983. Uma das marcas do carnavalesco era o luxo e a riqueza na avenida. Criticado por ter essa postura, é dele a célebre frase: "O povo gosta de luxo. Quem gosta de miséria é intelectual".

Em 1989, levou para a avenida o enredo Ratos e Urubus, Larguem a Minha Fantasia. Com a imagem de Jesus Cristo mendigo, Joãsinho Trinta entrou em choque com a Igreja Católica. A imagem foi censurada e passou pela Marquês de Sapucaí coberta. O carnavalesco ficou na Beija-Flor durante 17 anos e depois foi para a Unidos do Viradouro. Em 1996, teve um derrame que paralisou um dos lados do corpo. Mesmo debilitado, continuou trabalhando e conquistou o título de 1997 pela Viradouro com o enredo Trevas! Luz! A Explosão do Universo.

Em 2003, a Grande Rio conquistou com o carnavalesco um inédito terceiro lugar. Em 2006, Joãosinho Trinta teve outro derrame. No ano seguinte, foi demitido da Grande Rio por outra polêmica com a Igreja Católica e com a Justiça: a exposição de alegorias que representavam atos sexuais, em um enredo sobre a camisinha. Novamente, usou o recurso de cobrir as alegorias na Passarela do Samba.

Ao deixar a escola, voltou para o Maranhão. Atualmente, trabalhava no projeto do governo do estado para comemorar, em 2012, os 400 anos de São Luís.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati