Moçambique é o pior país lusófono no Índice de Desenvolvimento Humano

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Documento da ONU revela "impressionante" progresso alcançado no desenvolvimento humano nos últimos 25 anos.

22 de março de 2017

Moçambique é o país africano de língua portuguesa pior colocado no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) das Nações Unidas divulgado nesta terça-feira, 21.

Cabo Verde é o lusófono com melhor classificação no IDH, mas ocupa a parte baixa da lista (122a. posição) de 188 países.

Entre os lusófonos, São Tomé e Príncipe surge no 133o. lugar, seguido de Angola (150) e Guiné-Bissau (178).

Portugal é o lusófono com melhor classificação, 44, enquanto o Brasil está estagnado desde 2010, ocupando a 79a. posição.

Noruega lidera o IDH, seguida por Austrália, Suíça, Alemanha e Dinamarca, enquanto na cauda da tabela estão Chade, Níger e República Centro-Africana.

Os países

Em termos individuais, Cabo Verde manteve a mesma posição do ano passado, mas melhorou em vários indicadores como a esperança de vida, que subiu para 73,5 anos e a redução da mortalidade

Apesar de ter conseguido resultados positivos na vacinação de crianças, a taxa de gravidez entre adolescentes dos 15 aos 19 anos aumentou.

O relatório apresenta como exemplo o programa de merenda escolar que proporcionou vários benefícios aos estudantes e aos agricultores locais que aumentaram as suas vendas.

Ainda na educação, a taxa de literacia aumentou para 87.6 por cento, apesar de ver aumentar também o abandono escolar.

Angola cai mas melhora

Angola caiu um lugar em relação a 2015 (150), mas viu a esperança média de vida aumentar para os 52,7 anos, apesar de os anos de escolarização continuar nos 11,4.

Outros dados indicam que 63,2 por cento da população angolana trabalha e 12,4 por cento já usa a internet.

Na nota divulgada pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Moçambique foi citado como tendo colocado fim à possibilidade de um estuprador se casar com sua vítima.

O país, entretanto, está entre os oito do mundo com o mais baixo IDH, ocupando o 181º lugar da classificação de 2016, tendo perdido 33 por cento na avaliação dos indicadores de desenvolvimento humano.

Aumento “impressionante” do desenvolvimento humano

Em termos gerais, o relatório revela que foi "impressionante" o progresso alcançado no desenvolvimento humano nos últimos 25 anos.

Os autores do documento dizem que, em todo o mundo, a expectativa de vida está a aumentar, mais crianças frequentam escolas e houve um aumento também no acesso a serviços sociais.

Na questão da igualdade salarial, os indicadores do IDH mostram que apesar das mulheres terem melhor desempenho nos sectores de educação e longevidade do que os homens, elas ainda perdem no capítulo salarial.

O IDH mostra que em 2015, o mundo superou o que se acreditava serem "desafios assustadores" há mais de duas décadas.

Mesmo com o aumento da população de 5,3 mil milhões, em 1990 para 7,3 mil milhões em 2015, mais de mil milhão escaparam da pobreza extrema, 2,1 mil milhões tiveram acesso a saneamento básico, enquanto mais de 2,6 mil milhões de pessoas passaram a ter água potável.

Outro indicador revelador é o índice de mortalidade de crianças menores de cinco anos que caiu mais da metade, de 91 para 43 por cada mil nados vivos.

A incidência de HIV, malária e tuberculose também caiu entre 2000 e 2015.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati