Moçambique: Patronato diz ser catastrófico impacto do terrorismo nas empresas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

9 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

O presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) considera catastrófico o impacto da violência armada em Cabo Delgado sobre o tecido empresarial, que já perdeu cerca de 50 mil postos de trabalho.

Para Agostinho Vuma, se os ataques terroristas não pararem, o empresariado e os trabalhadores vão enfrentar dificuldades ainda maiores porque as ações terroristas comprometem o desempenho da economia nacional.

“A instabilidade é o primeiro empecilho para fazer negócio”, considera o presidente da CTA, acrescentando que um estudo recente daquela confederação sobre o impacto das ações terroristas sobre o tecido empresarial mostra que cerca de 56 mil postos de trabalho foram afetados.

Vuma anota que, da monitoria da atividade empresarial que a CTA tem realizado trimestralmente, através do índice de robustez das empresas e do emprego, “constata-se, por exemplo, que entre o primeiro trimestre deste ano e o quarto de 2021, registou-se uma retração, tanto na atividade empresarial como no apetite da contratação das empresas”.

Entretanto, as autoridades governamentais dizem que cerca de 150 micro-empresas afetadas pelo terrorismo em Cabo Delgado, já retomaram as suas atividades.

Contudo, o presidente do Conselho Empresarial de Cabo Delgado, Mahamud Irache, afirma que esses pequenos agentes econômicos não regressaram aos seus distritos de origem porque receiam que possam ocorrer novos ataques.

As micro-empresas beneficiaram de uma linha de crédito bonificado, no âmbito do relançamento do sector privado, para dinamizar a economia rural nas zonas afetadas pelo conflito armado.

Estatísticas oficiais estimam em mais de 4.900 o número de empresas que foram afetadas e em nove mil milhões de meticais (1,4 milhões de dólares) os prejuízos causados ao empresariado pelos ataques jihadistas.

Fonte