Moçambique: Inundações matam três pessoas e destroem culturas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

22 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

As áreas e a população agora atingidas foram afectadas de forma severa nas cheias de 2019, que se seguiram ao ciclone Idai. A presente situação regista-se quando se aproxima um novo ciclone, que deverá atingir a costa moçambicana nesta semana.

Um balanço preliminar do distrito de Búzi, indica que duas aldeias, Chiro e Mburiquizi, junto à zona baixa do rio Búzi, cujo caudal atingiu o pico no sábado, estavam com as plantações de arroz e milho submersos, totalizando 1.650 hectares de culturas agrícolas.

Já nesta terça-feira, 19, outros 98 hectares de culturas agrícolas ficaram inundados com o aumento do caudal, que iniciou a transbordar sábado, atingindo as zonas de Estaquinha, Mupira, Mussenemo, Tchindo e Grudja (Chirere), referiu Sérgio Costa, secretário permanente do distrito de Búzi.

“Do trabalho de monitoria que fizemos, a água tinha baixado consideravelmente de manhã, mas pouco depois o caudal do rio subiu de forma galopante” disse Sérgio Costa, adiantando que a “situação esta a tornar-se preocupante”.

A situação é precipitada pelas chuvas intensas que caem desde a semana passada e as descargas, de controlo, efetuadas nas barragens de Chicamba e Mavuzi, na província de Manica, disse.

Moçambique: Aumenta número de mortes da tempestade Chalane

“O número de campos agrícolas submersos vai aumentando na medida que chegam as informações do trabalho de monitoria sobre o avanço da água” disse Sérgio Costa, assegurando que as autoridades estão a mobilizar a população a abandonar “com urgência” as zonas de risco.

Actualmente, disse Sérgio Costa, há famílias camponesas que perderam apenas habitações e campos agrícolas, e outras ficaram afectadas nas duas componentes, estando em curso um levantamento para se direccionar o apoio.

O Governo distrital de Búzi aumentou de cinco para sete o número de embarcações de resgate, uma das quais disponibilizada pela administração marítima de Sofala, para “responder a casualidades que venham se registar”, durante o período chuvoso.

Entretanto, Teixeira Almeida, delegado em Sofala do Instituto Nacional de Gestão de Desastres (INGD), disse que 1.256 famílias tinham sido afetadas até hoje pelas inundações nos distritos de Búzi e Nhamatanda, na província.

“Esta vaga de inundações causou oito feridos e três óbitos por descargas atmosféricas” disse Almeida, no balanço preliminar, adiantando que além de campos agrícolas varias infraestruturas sociais foram ate agora atingidos pelo fenómeno.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com