Ministro da Saúde alemão diz que 3ª onda de COVID foi quebrada

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

21 de maio de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Autoridades de saúde alemãs disseram na sexta-feira que o país quebrou a terceira onda de infecções por COVID-19, mas alertaram que a pandemia está longe de terminar.

O ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, junto com o presidente do Instituto Robert Koch para Doenças Infecciosas (RKI), Lothar Wieler, disse que o país como um todo - e a maioria das 400 cidades e condados da Alemanha - teve taxas de infecção semanais abaixo do limite de 100 por 100.000 habitantes que desencadeou medidas rígidas de bloqueio.

Spahn deu crédito aos cidadãos alemães por seguirem as diretrizes sociais e sofrerem com os bloqueios recorrentes pelo progresso que foi feito. “Foi exatamente essa combinação de confiança e cautela, vacinação e cuidado um do outro, que foi importante para quebrar a terceira onda. Fizemos isso juntos.”

Spahn disse que o programa de vacinação da Alemanha está progredindo bem, com cerca de 40% da população alemã tendo recebido pelo menos uma dose da vacina COVID-19 e cerca de 13% totalmente vacinada. Ele disse que o declínio nos casos de coronavírus e o aumento constante nas taxas de vacinação são sinais encorajadores.

Wieler disse que uma pesquisa recente da RKI mostrou que 73% da população queria ser vacinada, o que mostra que “a prontidão para vacinação é muito alta” na Alemanha.

Mas ele e Spahn alertaram que a pandemia ainda não acabou. Spahn exortou as pessoas a terem cuidado, já que cervejarias, cafés e restaurantes em Berlim e em outros lugares estavam se preparando para atender os clientes ao ar livre na sexta-feira pela primeira vez em meses, desde que provassem que tiveram um teste COVID-19 negativo ou apresentassem um certificado de vacinação.

“O perigo ainda não foi evitado”, disse Wieler. “Vamos aproveitar ao máximo o verão e continuar a cuidar bem uns dos outros, com o mínimo de doentes possível. Se continuarmos juntos, iremos juntos dominar este vírus."

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit