Ministério Público abre investigação sobre causas de incêndio em Portugal

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O primeiro-ministro de Portugal António Costa

Agência Brasil

22 de junho de 2017

O Ministério Público de Portugal (MP) abriu uma investigação para esclarecer "as causas e consequências do incêndio" que começou no sábado no centro do país, no qual morreram 64 pessoas e mais de 200 ficaram feridas.

O MP confirmou à Agência EFE a abertura do processo, que está sob "segredo judicial" e procura contribuir para esclarecer as circunstâncias da tragédia.

O fogo começou na tarde de sábado em Pedrogão Grande, no distrito de Leiria, provavelmente pelo impacto de um raio em uma árvore seca, segundo apontou a Polícia Judicial (PJ).

No entanto, a hipótese - que ainda precisa ser esclarecida através de uma investigação mais profunda - foi questionada pelo presidente da Liga dos Bombeiros de Portugal, Jaime Marta Soares, que se mostrou cético pela celeridade com a qual a explicação foi oferecida.

"Estou convencido de que o impacto de um raio caiu bem mais tarde do início do incêndio. O início do incêndio foi às 15h e o raio foi um pouco mais tarde, quando o incêndio já tinha grandes proporções", disse ele hoje (22).

Cinco dias depois do início das chamas, e já com o incêndio sob controle, as perguntas em Portugal também se dirigem para a gestão do fato, que engloba tanto organismos de alerta como de socorro.

Os responsáveis do Instituto Português de Mar e Atmosfera, a Guarda Nacional Republicana (GNR) e Proteção Civil foram questionados pelo primeiro-ministro António Costa, que indicou que, com base em informações das quais dispõe até o momento, não foram cometidos erros.

Enquanto isso, a imprensa portuguesa destaca hoje que o Ministério de Administração Interna não anunciou ainda a abertura de uma investigação sobre a tragédia.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati