Militar de Mianmar lança repressão às forças de guerrilha urbana

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 de novembro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Agência VOA

As forças de segurança de Mianmar estão enviando um grande número de forças para reprimir grupos dissidentes em vários distritos de Yangon, a maior cidade de Mianmar, enquanto as forças anti-golpe continuam a intensificar os ataques contra ativos militares e afiliados.

Um membro importante da Liga Nacional para a Democracia, o partido do líder de facto deposto, Aung San Suu Kyi, e ex-membro do parlamento, Phyo Zeyar Thaw, foi preso no município de Dagon Seikkan na quinta-feira (18 de novembro).

No dia seguinte, a junta governante divulgou a notícia da prisão, com fotos de Phyo Zeyar Thaw, algemado e com hematomas no rosto, em meio a armas e munições. Também divulgou fotos de 40 jovens e sete mulheres presos entre 12 e 17 de novembro, supostamente por realizarem ataques terroristas em Yangon sob a direção de Phyo Zeyar Thaw.

A junta acusou Phyo Zeyar Thaw de recrutar jovens a mando do que considera grupos terroristas, como o governo paralelo da oposição, o Governo de Unidade Nacional e o Comitê Representante de Pyidaungsu Hluttaw, composto por parlamentares eleitos nas eleições gerais de 2020 do ano passado.

Um porta-voz da Unidade de Comando e Controle Militar do Governo da Unidade Nacional da Divisão de Yangon disse que dos 47 detidos presos pelos militares, 20 são membros da unidade do Governo da Unidade Nacional. Desde o anúncio da “Guerra Defensiva do Povo” do Governo de Unidade Nacional em 7 de setembro, as forças da oposição lançaram uma “Operação Andorinha” em Yangon e duas regiões vizinhas de Bago e Ayeyarwaddy.

A unidade militar do Governo de Unidade Nacional assumiu a responsabilidade por tiroteios em várias partes de Yangon e disse que houve 443 ataques em Yangon entre 7 de setembro e 6 de novembro.

Aung Kyi Nyunt, presidente do grupo de parlamentares, expressou séria preocupação com a prisão de muitos jovens, incluindo Phyo Zeyar Thaw.

“Eles seriam torturados sob interrogatório. As vidas deles estão em risco”, disse Aung Kyi Nyunt à VOA no sábado (20 de novembro).

Quatro pessoas foram presas na sexta-feira (19 de novembro) em conexão com a morte a tiros em 4 de novembro de Thein Aung, um alto funcionário da Mytel, uma empresa de telecomunicações de propriedade militar. Sete outros homens foram presos com armas e munições, incluindo dois fuzis M16, por dispararem contra um escritório da administração municipal em 7 de novembro.

A junta acusou o governo de oposição e o grupo de parlamentares de conexão com os tiroteios, ataques e assassinatos em Yangon, e os grupos também foram acusados ​​de fornecer armas a jovens envolvidos nesses ataques. Aung Kyi Nyunt não quis comentar sobre as alegações dos militares.

Os militares aumentaram a segurança em muitos distritos e estão realizando ataques noturnos.

“Depois das 20h, não ousamos sair no nosso bairro. Os soldados estão na estrada e [as pessoas] podem ser interrogadas e presas sem motivo”, disse um morador do distrito de North Okkalapa.

Um total de 198 pessoas foram mortas em ataques terroristas entre 1º de fevereiro e 16 de novembro, anunciou a junta em 18 de novembro. A junta reafirmou que reprimirá aqueles que criam instabilidade.

A junta também advertiu aqueles que alugaram casas ou apartamentos para membros das forças militares da oposição serão processados ​​de acordo com a lei existente e seus bens serão confiscados.

As forças militares da oposição dizem que, apesar das prisões, vão aumentar seus esforços, e a unidade de comando disse que acelerará suas operações em Yangon.

Kyaw Oo, membro da Força de Defesa do Povo da oposição, que realiza ataques de guerrilha desde abril, disse à VOA que seu grupo recebeu informações em outubro de que a junta lançaria uma operação em Yangon dentro de três meses.

“Desde então, os militares colocaram mais forças de segurança em Yangon do que nunca. Como resultado, pessoas importantes foram alvejadas e presas em missões. As prisões posteriores podem se tornar mais graves. Portanto, agora todos os grupos em Yangon estão prestando atenção especial à segurança. Caso contrário, seremos presos”, disse Kyaw Oo.

Fonte


Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit