Milhões passam o fim de semana de Páscoa sob restrições do COVID-19

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

3 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Milhões de pessoas em todo o mundo estão sob novas restrições de bloqueio neste fim de semana de Páscoa devido a infecções por coronavírus que aumentaram apesar do lançamento contínuo de campanhas de vacinação.

A Itália impôs um bloqueio nacional rigoroso de três dias no sábado, evitando grandes reuniões na Praça de São Pedro pelo segundo ano consecutivo.

Novas medidas de bloqueio entram em vigor no domingo na França, onde uma nova variante de rápida disseminação lotou as unidades de terapia intensiva. Restrições também foram recentemente impostas na Bélgica e em outros países europeus.

Do outro lado do Atlântico, a província canadense de Ontário entrou em seu terceiro bloqueio com restrições limitadas de 28 dias no sábado, conforme variantes mais perigosas se espalham e as hospitalizações aumentam. Novas restrições também foram impostas na Colúmbia Britânica e em Quebec. O Brasil vive um dos piores surtos do mundo à medida que uma variante mais contagiosa detectada pela primeira vez no país continua a se espalhar, alarmando outros países latino-americanos.

Enquanto a Bolívia fechou sua fronteira com o Brasil, o Chile fechou todas as suas fronteiras.

Enquanto as iniciativas de vacinação para ajudar a conter a disseminação da COVID-19 lutam para acompanhar as infecções, os EUA anunciaram na sexta-feira que se tornou a primeira nação a vacinar totalmente 100 milhões de pessoas.

Em todo o mundo, houve mais de 130 milhões de casos confirmados de COVID-19 e 2,8 milhões de mortes, de acordo com o Johns Hopkins Coronavirus Resource Center. Os EUA lideram todas as nações com 30,6 milhões de casos do vírus, seguidos do Brasil com 12,9 milhões de infecções e da Índia com 12,3 milhões de casos. Nos últimos dias, o Brasil somou mais mortes que o total das vítimas do desembarque aliado da Normandia.

Fontes[editar]

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit