Metano libertado pelo Árctico preocupa especialistas em alterações climáticas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

10 de março de 2010

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um estudo da Universidade de Fairbanks, no Alasca, descobriu que o Árctico está a libertar para a atmosfera metano, um gás com efeito de estufa, a uma velocidade superior a esperada, aumentando assim os receios de especialistas em alterações climáticas.

Natália Shakhova e Igor Semiletov lideraram o estudo realizado numa zona do fundo do oceano ainda pouco conhecida, a plataforma siberiana oriental do Árctico, entre 2003 e 2008. Esta zona armazena grandes quantidades de metano gelado e mostra sinais de instabilidade, e o acelerar da sua libertação potencia o aquecimento global.

"Esta descoberta põe em evidência uma fonte de metano importante que tinha sido negligenciada até agora e que provém do permafrost (o solo permanentemente gelado) localizado debaixo de água, e não tanto do permafrost à superfície", afirmam os autores.

Até a data, os cientistas consideravam que o metano localizado no oceano Árctico constituía uma barreira intransponível para o metano, um gás cujo efeito estufa é 30 vezes superior ao de dióxido de carbono (CO2).


Fontes

((pt)) ecosfera.publico.clix.pt. Fundo do mar no Árctico está a libertar metano mais depressa do que o estimado — ecosfera.publico.clix.p, 10 de março de 2010  

((pt)) dn.sapo.pt. Metano está a escapar-se do fundo do oceano Árctico — dn.sapo.pt, 10 de março de 2010  

((pt)) AFP. Metano também é liberado no Ártico — AFP, 10 de março de 2010