Metano libertado pelo Árctico preocupa especialistas em alterações climáticas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Amazônia
Outras notícias sobre o meio-ambiente


10 de março de 2010

Um estudo da Universidade de Fairbanks, no Alasca, descobriu que o Árctico está a libertar para a atmosfera metano, um gás com efeito de estufa, a uma velocidade superior a esperada, aumentando assim os receios de especialistas em alterações climáticas.

Natália Shakhova e Igor Semiletov lideraram o estudo realizado numa zona do fundo do oceano ainda pouco conhecida, a plataforma siberiana oriental do Árctico, entre 2003 e 2008. Esta zona armazena grandes quantidades de metano gelado e mostra sinais de instabilidade, e o acelerar da sua libertação potencia o aquecimento global.

"Esta descoberta põe em evidência uma fonte de metano importante que tinha sido negligenciada até agora e que provém do permafrost (o solo permanentemente gelado) localizado debaixo de água, e não tanto do permafrost à superfície", afirmam os autores.

Até a data, os cientistas consideravam que o metano localizado no oceano Árctico constituía uma barreira intransponível para o metano, um gás cujo efeito estufa é 30 vezes superior ao de dióxido de carbono (CO2).


Fontes

Em Português ecosfera.publico.clix.pt. Fundo do mar no Árctico está a libertar metano mais depressa do que o estimadoecosfera.publico.clix.p, 10 de março de 2010

Em Português dn.sapo.pt. Metano está a escapar-se do fundo do oceano Árcticodn.sapo.pt, 10 de março de 2010

Em Português AFP. Metano também é liberado no ÁrticoAFP, 10 de março de 2010

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati