Medo das mulheres aumenta no Paquistão antes do Dia Internacional da Mulher

7 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Milhares de mulheres devem marchar em cidades do Paquistão nesta terça-feira para marcar o Dia Internacional da Mulher e exigir mais direitos na sociedade altamente conservadora e dominada por homens. Eles estão fazendo isso sob o slogan “Meu corpo, meu direito”, significando liberdade na tomada de decisões sobre assuntos como casamento, sexo, saúde reprodutiva e escolhas de roupas no país de maioria muçulmana.

Mulheres ativistas paquistanesas também aproveitam a ocasião para chamar a atenção para promover a igualdade de gênero, aumentar a pressão sobre o governo para aplicar a legislação de abuso doméstico e exigir proteção contra estupro, dizendo que muitos casos de estupro e assédio não são relatados.

Os comícios ocorrerão sob o espectro da violência e oposição de autoridades religiosas.

Tahira Abdullah e Huda Bukhari, organizadoras da marcha das mulheres em Islamabad, disseram à VOA que a administração local ainda não lhes deu permissão formal para realizar manifestações na rica capital do país. As mulheres também dizem que receberam uma enxurrada de cartas e telefonemas ameaçadores antes dos protestos de 8 de março.

Separadamente, o ministro federal para assuntos religiosos no governo do primeiro-ministro Imran Khan expressou oposição aos comícios.

Noor-ul-Haq Qadri, um membro eleito do principal partido paquistanês Tehreek-e-Insaf (PTI) de Khan, sugeriu em uma carta ao primeiro-ministro que a terça-feira seja comemorada como o Dia Internacional do Hijab.

O ministro federal disse a Khan que nenhum grupo deve ser autorizado a "ridicularizar valores islâmicos, normas sociais, hijab ou modéstia sob a bandeira de Aurat (mulher) ou qualquer outro título", com atos que ele diz ferir os sentimentos dos muçulmanos no país.

O primeiro-ministro Khan ainda não respondeu à sugestão de seu ministro.

Fontes