Medicamentos vão ter escolta policial em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Moçambique.

Agência VOA

27 de julho de 2015

Milhares de utentes dos hospitais públicos em Moçambique continuam a sofrer o impacto da falta de medicamentos essenciais na rede pública.

Nos momentos do pico, na rede pública falta de tudo um pouco. Do antibiótico ao paracetamol.

Vezes sem conta, os doentes recebem receitas e a indicação de procurar os medicamentos em farmácias privadas, onde o custo deixa muitos cidadãos à beira de ataques de nervos.

A ministra da Saúde, Nazira Abdula, atribuiu a recorrente escassez aos roubos e desvios, protagonizados por redes do crime organizado.

Sem indicar as quantidades perdidas, ela admite que a situação é grave.

Para travar a situação, os ministérios da saúde e do interior vão estabelecer um protocolo de cooperação, através do qual, os medicamentos passarão a ser escoltados por brigadas policiais.

Deste modo, o governo espera travar os roubos e a crise de medicamentos nos hospitais.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com