Mediador apela para que Manuel Zelaya volte à Presidência de Honduras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

30 de julho de 2009

O presidente da Costa Rica, Oscar Arias, apelou ontem (29), durante reunião de cúpula dos países da América Central, para que o presidente provisório, Roberto Micheletti, e o Congresso de Honduras, aceitem a volta de Manuel Zelaya ao poder. Segundo Arias, caso contrário, todo povo hondurenho será prejudicado. "Honduras irá cair no mais completo ostracismo", reforçou o mediador internacional da crise.

O Tribunal Eleitoral de Honduras já avisou que não vai sugerir ao Congresso a antecipação das eleições, previstas para novembro. A antecipação do pleito é um dos pontos mais importantes do chamado Acordo de San José, que prevê ainda a volta de Zelaya e uma anistia política para os crimes de natureza política que, supostamente, foram cometidos por Zelaya e pelos militares que detiveram o presidente deposto em 28 de junho.

O governo provisório minimizou hoje o impacto da decisão dos Estados Unidos de cancelar os vistos diplomáticos de quatro autoridades envolvidas com o golpe. De acordo com Roberto Micheletti, suspender os vistos não afeta a população.

Mas o governo de fato se preocupa, e já busca alternativas para sobreviver às sanções econômicas. Todos os programas de financiamento internacional foram suspensos e, segundo os empresários, o turismo caiu 70%. As multinacionais que têm fábricas no país, como a Nike e a Adidas, ameaçaram em carta deixar o país. Aliados de Zelaya dizem que, praticamente, não há mais investimentos no país. "A situação é dramática. Temos uma queda brutal das transações comerciais", disse Aristides Carranza, vice-presidente de Zelaya.

Já o presidente do Conselho de Empresas Privadas de Honduras, Amilcar Zulnes, disse à Agência Brasil que, apesar das sanções internacionais, o governo Micheletti vai sobreviver. Segundo ele, se for preciso, os empresários locais vão socorrer o governo, pelo menos, nos próximos meses. "As fábricas estão funcionando, os portos e aeroportos também. O setor produtivo está em pleno funcionamento", garantiu Zulnes.

Lenir Coltro, uma nutricionista gaúcha, que vive há 22 anos em Tegucigalpa, acredita que o governo Micheletti vai ter dificuldades para enfrentar as barreiras econômicas internacionais. Ela é uma dos 500 brasileiros que vivem em Honduras. Segundo ela, o país certamente entrará em recessão. "Sabemos que os próximos meses serão difíceis. Por isso, temos que trabalhar mais. Essa crise pode servir para estimular o povo hondurenho", ressaltou Lenir.


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati