Mauro Iasi diz que desmilitarização da PM pode evitar corrupção

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de setembro de 2014

Brasil

O candidato do PCB à Presidência da República, Mauro Iasi, defendeu hoje (26) a desmilitarização das polícias militares como forma de combater a corrupção dentro das instituições. Segundo o candidato, os desvios são favorecidos pela rígida hierarquia militar, pois quem está abaixo, na cadeia de comando, não pode se insurgir contra as práticas criminosas.

Iasi citou como exemplo a recente operação do Ministério Público (MP) contra a cúpula da Polícia Militar (PM) no Rio, suspeita de cobrar propinas de comerciantes, operadores de transporte clandestino e promotores de eventos, principalmente na zona oeste da cidade. “A desmilitarização hoje é uma necessidade. Estamos acompanhando o grau de desorganização e degeneração em que está a Polícia Militar. Como é uma corporação altamente hierarquizada, muitas vezes, o policial que percebe esquemas e formas irregulares de funcionamento fica intimidado em denunciar, exatamente porque aqueles que estão envolvidos são de patente superior”, destacou o candidato.

Ele considerou falido o atual sistema de segurança público e propôs o fim da PM e a unificação das duas polícias na carreira da Polícia Civil. “A PM se mostra ineficiente contra a mudança no perfil do crime, cada vez mais urbanizado, com a população isolada em bairros longe dos centros. Tudo isso gera um perfil que a PM não está preparada para enfrentar. Só aumenta o número de efetivo, armando-se cada vez mais, reprimindo e causando um verdadeiro genocídio.”

Na próxima terça-feira (30), Iasi participará de debate na Associação dos Professores da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo. Na quarta-feira (1º), o candidato terá encontro no Diretório Central de Estudantes (DCE) da Universidade de São Paulo (USP).

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati