Marina Silva declara apoio à candidatura de Aécio Neves

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marina Silva. (19/9/2014)

Agência Brasil

12 de outubro de 2014

Brasil

Derrotada no primeiro turno das eleições presidenciais, Marina Silva (PSB) anunciou hoje (12) apoio ao candidato do PSDB, Aécio Neves. Segundo Marina, a posição foi decida após o tucano assinar uma carta se comprometendo com uma série de pontos considerados vitais pela sua coligação. “Entendo esse documento como uma carta compromisso com os brasileiros, com a nação. Rejeito qualquer interpretação que seja dirigida a mim em busca de apoio”, disse sobre o documento que foi entregue por Aécio no sábado (11), no Recife.

Entre os pontos acordados está o compromisso com a reforma agrária, o fim da reeleição e a elaboração de um projeto de lei que transforme o Bolsa Família em política de Estado. “Compromissos avançados com a educação, assumindo a educação em tempo integral, que Eduardo Campos tanto se esforçava para mostrar que fez a diferença na qualidade do ensino em Pernambuco”, acrescentou, durante o pronunciamento sobre os termos do documento.

Também faz parte do compromisso assinado pelo tucano uma série de pautas sócio-ambientais, como o fim do desmatamento e a manutenção da prerrogativa do Executivo na demarcação de terras indígenas. “Inédita determinação de preparar o país para as mudanças climáticas e fazer a transição para uma economia de baixo carbono, assumindo protagonismo global nessa área”, elogiou a ex-ministra do Meio Ambiente.

Marina ressaltou que sua decisão foi tomada após todos os partidos de sua base de apoio manifestarem as posições, em sua maioria, favoráveis a Aécio Neves. “A minha posição neste momento tem um lastro daqueles que me empoderaram para liderar a campanha política no primeiro turno. E respaldada por esse lastro, após conversar com muitas pessoas, refleti sobre o momento importante que o nosso país está vivendo”.

Sobre a campanha, a ex-senadora voltou a reclamar do tom das críticas recebidas no primeiro turno. “Não podemos mais continuar apostando no ódio, na calúnia, na desconstrução de pessoas e propostas apenas pela disputa de poder que divide o Brasil”, destacou.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati