Mantega convoca reunião extraordinária do G-20 Financeiro para discutir crise mundial

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

9 de outubro de 2008

O ministro da Fazenda do Brasil, Guido Mantega, convocou ontem (8) reunião extraordinária do G-20 Financeiro, grupo formado pelos ministros de Finanças e presidentes dos bancos centrais das 20 maiores economias do mundo, para discutir a crise no sistema financeiro mundial. O encontro será no próximo sábado (11) nos Estados Unidos.

Desde março, Mantega preside o grupo. De acordo com comunicado emitido pelo Ministério da Fazenda, a reunião ocorrerá na sede do Fundo Monetário Internacional (FMI) em Washington DC. O ministro parte para a capital norte-americana hoje, onde haverá reunião anual do FMI e do Banco Mundial.

A assessoria do ministério confirmou que o presidente do Banco Central do Brasil, Henrique Meirelles, também participará do encontro, mas não informou se ele falará no evento.

Segundo a nota, o principal objetivo do encontro é debater os aspectos da crise financeira mundial e seu impacto na economia global. Criado em 1999, em resposta às crises financeiras que assolaram o mundo no final dos anos 90, o G-20 Financeiro representa aproximadamente 90% do PIB mundial e dois terços da população global.

A função do grupo é estimular ações internacionais coordenadas em resposta à globalização econômica. De acordo com o Ministério da Fazenda, o G-20, hoje, é um dos mais influentes fóruns internacionais de discussão sobre o crescimento e a estabilidade econômica e financeira em todo o mundo.

O G-20 Financeiro é composto pelos ministros da área econômica e presidentes de bancos centrais de 19 países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coréia do Sul, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos. O outro componente é a União Européia, representada no grupo pela presidência rotativa do Conselho da União Européia e pelo Banco Central Europeu.


Fontes