Manifestantes na Austrália condenam invasão russa da Ucrânia

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Centenas de australianos de ascendência ucraniana se juntaram aos de ascendência russa para protestar contra a invasão russa da Ucrânia no centro de Sydney na sexta-feira.

Foi um ato de solidariedade a muitos milhares de quilômetros do conflito na Ucrânia.

Manifestantes seguravam cartazes pedindo ao presidente russo, Vladimir Putin, que parasse com o assassinato.

O governo australiano aderiu à condenação internacional do ataque russo.

O primeiro-ministro Scott Morrison também condenou a China por minar as sanções ocidentais contra a Rússia.

No início de fevereiro, o presidente da China, Xi Jinping, e Putin concordaram em aumentar os laços comerciais.

A Austrália insiste que o acordo visava minar a rede de alianças globais dos Estados Unidos e quaisquer sanções que fossem impostas à Rússia.

Morrison instou a China a agir com responsabilidade.

“Você não vai e joga uma tábua de salvação para a Rússia no meio de um período em que eles estão invadindo outro país”, disse ele. “Isso é simplesmente inaceitável pelos relatórios que vimos, e eu peço a todas as nações que digam que não é hora de aliviar as restrições comerciais com a Rússia. Todos nós deveríamos estar fazendo exatamente o oposto.”

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China sugeriu na quinta-feira que o ataque não deveria ser chamado de “invasão” porque a Rússia estava mirando apenas em bases militares ucranianas.

Morrison já havia descrito os invasores russos como “bandidos” e “valentões”.

O ministro da Defesa australiano, Peter Dutton, disse que o presidente da China, Xi, pode ser um dos poucos líderes globais que poderiam persuadir seu colega russo a interromper a invasão.

O governo australiano enviará suprimentos médicos, apoio financeiro e equipamentos militares, mas não armas, para a Ucrânia para ajudar na luta contra a Rússia.

A embaixada russa na capital australiana, Canberra, disse que as sanções impostas pela Austrália são “xenófobas”.

Fontes