Manifestante favorável a Zelaya morre na fronteira de Honduras com a Nicarágua

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

26 de julho de 2009

Las Manos, Nicarágua

Um jovem de 24 anos morreu na madrugada de ontem (25) na cidade de El Paraiso, a 12 quilômetros da fronteira de Honduras com a Nicarágua. Não há informações sobre as causas da morte, mas o corpo permanecia abandonado em um terreno baldio até o incio da tarde. O rapaz seria um dos manifestantes favoráveis ao retorno do presidente deposto Manuel Zelaya a Honduras.

Os militares que apoiam o golpe de Estado no país negam que o jovem tenha morrido durante confrontos que ocorreram nas últimas horas por causa da chegada de Zelaya à região. O rapaz tinha marcas nos braços, mas não apresentava ferimentos provocado por tiros. A situação em Honduras neste sábado é mais tranquila, apesar das inúmeras barreiras militares erguidas na rodovia que chega à fronteira. São pelo menos dez barreiras entre a capital Tegucigalpa e a cidade nicaraguense de Las Manos.

Segundo fontes do governo da Nicarágua, Zelaya está numa cidade nicaraguense a 30 quilômetros da fronteira e deve retornar ainda hoje à aduana. O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, chegou a estudar a possibilidade de acompanhá-lo, mas desistiu da idéia.

Zelaya chegou a atravessar a fronteira anteontem (24), ficou o lado hondurenho por alguns minutos e regressou logo em seguida para o território da Nicarágua.

Policiais federais de Honduras permanecem mobilizados a cerca de 30 metros da fronteira entre os dois países. Eles têm ordem judicial para prender Zelaya, caso tente ingressar novamente no país.

A EBC conversou com a mulher do presidente deposto, Xiomara Castro Zelaya, que está retida a cerca de 50 quilômetros da fronteira por uma barreira militar. Segundo ela, Zelaya deve ir a Washington na próxima terça-feira (27) para se reunir com a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton. No entanto, a primeira-dama garantiu que o marido não desistiu de voltar ao país.

“Nós temos a esperança que conseguiremos chegar à fronteira, apesar do toque de recolher [que termina as 18h, hora local]. O que acontece é uma clara violação dos nossos direitos. É uma ditadura militar. E Zelaya permanece disposto a retornar ao país e ao seu povo”, garantiu ela.

Zelaya foi expulso de Honduras dia 28 de junho, após ser deposto por um golpe militar que o tirou da presidência. Desde então, já fez duas tentativas de voltar ao país, mas não teve êxito. Atualmente, o comando de Honduras está nas mãos do presidente interino Roberto Micheletti.

Fonte


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati