Mais de 3,2 mil nigerianos abandonaram cidade atacada pelo Boko Haram

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

14 de janeiro de 2015

Nigéria

Mais de 3,2 mil pessoas já abandonaram a cidade de Baga, fugindo dos recentes ataques do grupo islâmico radical Boko Haram a cidades do estado de Borno, no Nordeste da Nigéria. O número foi calculado pela Agência Nacional de Gestão de Emergência (Nema). Segundo o Nema, os “deslocados” estão refugiados em um acampamento montado em Maiduguri, no mesmo estado, a cerca de 200 quilômetros ao sul de Baga. Há outros dez acampamentos na região sob os cuidados da agência nigeriana que tem fornecido alimentos, medicamentos e outros itens essenciais às famílias.

Ontem (13), a Nema enviou mais uma equipe de técnicos da capital, Abuja, para auxiliar na ajuda humanitária aos refugiados. Horas depois, a noite, ao menos três pessoas foram mortas e 20 feridas quando uma mulher-bomba se explodiu perto de uma mesquita de Kasuwan Mata, no estado de Gombe, durante o horário de oração.

O total de mortos, feridos e deslocados é incerto. A organização humanitária Anistia Internacional classifica os ataques do Boko Haram contra civis não só como “massacre” mas, também, como o “mais mortal já feito pelo grupo armado islamita em um longo histórico de ataques hediondos”. Fontes nigerianas e a imprensa local falam em ao menos 2 mil mortos apenas nos ataques a Baga, nos últimos dias. Alguns jornais nigerianos mencionam mais de 800 mil deslocados pelos ataques do Boko Haram nos últimos anos.

“Este ataque a Baga e a cidades próximas parece ter sido o mais mortal. Confirmados os relatos de que o grupo [Boko Haram] arrasou toda a cidade, deixando centenas ou até mesmo 2 mil mortos, isto constitui uma escalada brutal e perturbadora na continuada chacina da população civil", comenta o investigador da Anistia Internacional para a Nigéria, Daniel Eyre, em um comunicado divulgado pela organização.

Desde 2009, o Boko Haram ataca civis. Além de matar e expulsar parte dos moradores de pequenos vilarejos e cidades desguarnecidas, os integrantes do grupo radical islâmico são acusados de raptar jovens com o objetivo de recrutar e utilizá-los em novos ataques. Na véspera do Ano-Novo, 40 crianças e adolescentes do sexo masculino foram raptados de uma aldeia.

Para a Anistia Internacional, as práticas do Boko Haram equivalem a “crimes de guerra e crimes contra a humanidade”. A organização destaca a necessidade do governo nigeriano investigar as violações aos direitos humanos e julgar os responsáveis. A comoção provocada pela morte de 17 pessoas nos ataques terroristas na França, na última semana, fez o governo francês se solidarizar com a tragédia do povo nigeriano. Em nota divulgada ontem, o governo francês condena a escalada da violência no Nordeste da Nigéria.

“O recrutamento de crianças para cometer certos ataques tornam estes atos odiosos ainda mais abjetos”, diz a nota. “No momento em que dados de organizações não governamentais falam de centenas de vítimas e de muitos desabrigados e refugiados, expressamos nossas condolências ao povo nigeriano. Os autores desses ataques deverão responder pelos seus atos. A França e seus parceiros africanos se mantêm ao lado do governo nigeriano na luta contra o terrorismo”.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati