Macron: depender da soja brasileira é endossar o desmatamento

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

13 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por Rede Brasil Atual

O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou ontem, 12 de dezembro, que “continuar a depender da soja brasileira seria endossar o desmatamento da Amazônia”. A declaração, dada em uma coletiva de imprensa, foi publicada no perfil oficial de Macron no Twitter.

Em meio ao evento “One Planet Summit”, cúpula que acontece em Paris e que neste ano é dedicada à preservação da biodiversidade, Macron defendeu que a Europa seja coerente com suas políticas ambientais. Para ele, é preciso que o bloco abandone a compra de soja oriunda do Brasil, num esforço de preservação da floresta Amazônica. “Somos consistentes com as nossas ambições ecológicas, lutamos para produzir soja na Europa, afirmou Macron em vídeo nas redes sociais.

“Quando importamos a soja produzida a um ritmo rápido a partir da floresta destruída no Brasil, nós não somos coerentes”, afirmou. “Nós precisamos da soja brasileira para viver? Então nós vamos produzir soja europeia ou equivalente”, completou.

Ao todo, cerca de 30 chefes de Estado, empresários e representantes de ONGs participam das discussões do “One Planet Summit”. Entre eles estão o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, o presidente do Banco Mundial, David Malpass, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a chanceler alemã Angela Merkel e o chefe de governo britânico, Boris Johnson, que organiza a próxima conferência da ONU sobre o clima.

Notícias Relacionadas[editar]

Fontes[editar]

Nota: conforme a Política de Privacidade – Direitos, "é liberado o uso de textos e imagens de autoria da Rede Brasil Atual sem prévia autorização, sendo permitida a reprodução, integral ou parcial do conteúdo (áudios, imagens e textos), desde que citados o nome do autor e da Rede Brasil Atual”.

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com