Médicos em Mianmar participam de manifestação antigovernamental

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

21 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Desafiando a repressão militar de Mianmar, os manifestantes anti-golpe em Mandalay realizaram uma manifestação na madrugada de domingo para evitar grandes confrontos com as forças de segurança e a polícia.

Profissionais da saúde, incluindo médicos, enfermeiras, estudantes de medicina e farmacêuticos em jalecos brancos, juntou-se aos manifestantes pró-democracia que marcharam durante a noite, de sábado a domingo, entoando slogans e segurando faixas, dizendo "Salve nosso líder", referindo-se ao ex-líder de fato do país, Aung San Suu Kyi.

Suu Kyi e outros líderes eleitos democraticamente estão detidos desde 1º de fevereiro. Mandalay tem sido um grande centro de oposição ao controle militar.

Outros protestos ocorreram durante a noite do estado de Kachin, no extremo norte de Mianmar ao sul do país, com moradores acendendo centenas de velas.

No sábado, as forças de segurança e a polícia de Mianmar reprimiram novamente os manifestantes antigovernamentais em todo o país em face das crescentes críticas sobre sua campanha cada vez mais agressiva para encerrar as manifestações desencadeadas pelo golpe.

Os manifestantes fugiram enquanto gás lacrimogêneo e tiros ao vivo eram disparados no norte de Mianmar, segundo relatos da mídia local e internacional.

Myanmar Now, uma agência de notícias local informou que um guarda noturno foi morto a tiros e dois outros gravemente feridos na cidade central de Mogok. As manifestações também continuaram em toda a antiga capital de Yangon.

Na sexta-feira, o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, condenou veementemente a brutalidade contínua dos militares de Mianmar, depois que pelo menos oito manifestantes anti-golpe foram mortos na cidade central de Aungban, no estado de Shan oriental.

“O assassinato de manifestantes pacíficos e prisões arbitrárias, inclusive de jornalistas, é totalmente inaceitável”, disse o porta-voz de Guterres, Stephane Dujarric, a jornalistas. “Os militares continuam a desafiar os apelos, inclusive do Conselho de Segurança [da ONU], para acabar com as violações dos direitos humanos fundamentais e retornar ao caminho da democracia”.

Ele disse que uma resposta internacional firme e unificada é urgentemente necessária. “O secretário-geral continuará a apoiar o povo e suas aspirações para alcançar uma Mianmar pacífica, estável e próspera”, acrescentou Dujarric.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit