Lula volta a cobrar mudanças no Conselho de Segurança da ONU

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

16 de outubro de 2009

Logo depois do Brasil ter sido escolhido para membro não permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, voltou a cobrar mudanças no Conselho de Segurança para que a organização tenha mais credibilidade nas mediações dos conflitos mundiais. Entre as mudanças, Lula defende o aumento de cadeiras permanentes no conselho para países da América do Sul e da África e para nações como o Japão e a Alemanha.


Estou convencido de que esse negócio do Conselho de Segurança está como uma fruta madura. Já está passando do ponto de colher, daqui a pouco ela cai. Se os dirigentes da ONU, sobretudo dos países que hoje dirigem o Conselho Permanente, não aceitarem a reforma, eles serão responsabilizados pela fragilidade da ONU
'


O Brasil foi eleito ontem (15) membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU. O mandato é de dois anos, de 1º de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2011. É a décima vez que o país ocupa um assento eletivo no conselho.

Para o presidente do Brasil, atualmente a ONU está sem credibilidade para resolver os conflitos mundiais. E citou a situação em Honduras, onde nem a Organização dos Estados Americanos (OEA) conseguiu mediar uma solução para crise causada pela deposição do presidente Manuel Zelaya.

“Veja o que aconteceu agora com Honduras. O que a OEA fez até agora? Fez as reuniões, tomou as decisões, simplesmente o golpista [[[w:Roberto Micheletti|Roberto Micheletti]]] não atendeu nada. Ora, por quê? Se a ONU tivesse maior representatividade política, a ONU decidia, cada país cumpria e, aí, as coisas aconteciam”, disse Lula, ao conceder entrevista em Floresta (PE), onde visitou as obras da transposição e revitalização do Rio São Francisco.

No início do mês, uma missão da OEA fracassou ao tentar intermediar uma solução entre o grupo do presidente deposto, Manuel Zelaya, e o presidente do governo golpista, Roberto Micheletti. Desde o último dia 21, Zelaya e alguns de seus correligionários estão alojados na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa, capital hondurenha.

Lula também criticou o fato dos Estados Unidos lideraram as negociações de um acordo de paz entre judeus e palestinos, no Oriente Médio. Segundo ele, esse papel deveria ser exercido pelas Nações Unidas. “A questão do Oriente Médio, por exemplo, não pode ser uma coisa particular dos Estados Unidos. Quem deveria estar negociando a paz entre judeus e palestinos era a ONU. E por que ela não faz isso? Porque não tem força. Queremos é que a ONU tenha muita força”, afirmou.


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati