Lula pede "serenidade e muita conversa" para preservar paz na América do Sul

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

10 de agosto de 2009

Quito, Equador


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu hoje (10) “serenidade e muita conversa” para preservar a paz e fortalecer a integração entre os países sul-americanos. Lula fez a declaração logo depois da posse dos novos dirigentes da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), na sequência de um discurso inflamado do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que quebrou o protocolo da cerimônia.

Os chefes de governo presentes já haviam assinado a declaração final do encontro quando Chávez pediu a palavra e defendeu uma proposta apresentada pela Bolívia, de um posicionamento mais firme da Unasul, rechaçando a instalação de sete bases norte-americanas em território colombiano.

No documento final da cúpula, não há qualquer menção a essas bases militares.

Chávez chegou a levantar a possibilidade de retaliação militar contra a Colômbia, caso seu país sofra alguma agressão depois da instalação das bases. Ele disse que era seu dever alertar para a possibilidade de confrontos mais sérios e que percebia que “ventos de guerra sopram sobre a região.”

Os presidentes do Paraguai, Fernando Lugo, da Bolívia, Evo Morales, do Chile, Michelle Bachelet, e do Equador, Rafael Correa, também se pronunciaram sobre o clima tenso que hoje envolve o continente.

O presidente Lula, que só chegou a Quito na madrugada de hoje, decidiu antecipar a volta ao Brasil e nem chegou a participar da posse de Rafael Correa na presidência da Unasul.

Em entrevista concedida na Base Aérea da capital equatoriana, pouco antes de embarcar de volta ao Brasil, Lula manteve o tom conciliatório e fez uma proposta: que a Unasul convoque o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para uma reunião. “Seria a oportunidade para ouvirmos do próprio presidente Obama o que ele pensa de uma política para os países do continente sul-americano”, afirmou.

A questão das bases norte-americanas deverá ser o assunto principal numa reunião extraordinárias dos ministros das Relações Exteriores e da Defesa dos 12 países membros da Unasul no próximo dia 24, em Bariloche, na Argentina. O presidente brasileiro disse esperar que a Colômbia envie seus representantes a Bariloche.

Barack Obama

Durante a reunião da Unasul, o presidente Lula sugeriu aos integrantes do bloco que a Unasul convide o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para uma "discussão profunda" sobre a relação entre os Estados Unidos e a América do Sul.

“Talvez fosse o caso de pensarmos em convocar o Obama para discutir a relação dos Estados Unidos e a América do Sul, porque a informação que temos é que ainda existem embaixadores que se metem em eleições de outros países. Essa Quarta Frota me preocupa profundamente por causa do pré-sal e deveríamos discutir esse inconformismo nosso diretamente com o governo americano”, disse Lula ao discursar na abertura da reunião da Unasul.

Lula sugeriu que após a reunião entre chanceleres e ministros da Defesa na Unasul, marcada para o dia 24 de agosto, seja realizada uma reunião entre os presidentes dos países que integram o bloco e, só então, feito o convite a Barack Obama.

No discurso, o presidente Lula falou sobre a necessidade de que os integrantes da Unasul se entendam. “Me incomoda esse clima de inquietação no nosso continente e penso que vai ser sofrido, as pessoas vão ter que aprender a ouvir duras verdades, mas vamos ter que nos colocar de acordo sobre o futuro da Unasul.”

Segundo ele, se não for estabelecido um clima amistoso entre os países, a Unasul se tornará uma instituição “de amigos, cercada de inimigos”. “Se não houver essa coisa amistosa entre nós, de confiança entre nós e mais sinceridade, em vez de estarmos criando uma instituição de integração, estaremos criando um clube de amigos cercado de inimigos por todas as partes, isso não funciona.”

A reunião ocorreu sem a presença do presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, por conta de recentes desentendimentos com governantes da América do Sul envolvendo um acordo para a instalação de bases militares americanas no país.

Retorno do Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva antecipou seu retorno de Quito ao Brasil devido ao estado de saúde do vice-presidente, José Alencar. Lula contou que havia conversado ontem (9), às 21h, com Alencar e o vice -presidente estava bem, com planos de voltar para Brasília.

Mas, hoje (10), ao acordar, Lula soube que Alencar havia sido internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, na noite de ontem por ter urinado sangue.

“Fiquei preocupado, comuniquei ao presidente Rafael Correa [do Equador] que não ia ficar para a posse”, disse Lula a jornalistas, antes de embarcar para o Brasil. Lula estava em Quito para participar da Cúpula de Chefes de Estado da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e da posse de Correa.

De acordo com a assessoria de Alencar, ele permaneceu no hospital das 23h de ontem às 10h de hoje. O vice-presidente está bem, despachando em São Paulo e deve retornar ao hospital para novos exames na quinta-feira. Segundo a assessoria de imprensa do Sírio-Libanês, no entanto, Alencar deu entrada no hospital hoje cedo.

Alencar luta contra um câncer há 12 anos e já foi submetido a 15 cirurgias. Só em julho, foram duas intervenções: a primeira, no dia 9, para retirada de tumores para desobstruir o intestino. A segunda, no dia 24, para realização de uma colostomia, procedimento cirúrgico no qual é feita uma abertura no abdômen para drenagem das fezes.

Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati