Lula e Chávez garantem que petróleo fortalece união entre Brasil e Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

28 de junho de 2008

A produção de petróleo no Brasil e na Venezuela e as recentes descobertas brasileiras nessa área fizeram parte da pauta do encontro entre os presidentes dos dois países hoje (27), em Caracas. Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Chávez ficaram quase oito horas juntos e se reuniram sozinhos por mais de uma hora e meia na sede do governo venezuelano.

Após a reunião privada entre os dois presidentes e outra com os ministros dos dois governos, a comitiva brasileira foi para a sede da estatal petrolífera PDVSA, onde cerca de 400 pessoas, a maioria membros do governo venezuelano, aguardaram os chefes de Estado por quase quatro horas.

Ao responder às perguntas da imprensa, Lula disse que não há conflitos de interesses entre os dois países na questão petrolífera. “Quanto mais petróleo encontrarmos na Venezuela e no Brasil, mais poderosos seremos”, disse. Chávez garantiu que não se sente afetado com as descobertas brasileiras e que essa é uma razão para os dois países continuarem unidos.

O presidente venezuelano disse que o preço da gasolina não vai subir no país, apesar da alta do petróleo no mundo, porque o governo continuará subsidiando o produto.

Durante o encontro, Chávez apresentou a Lula o andamento do projeto entre a empresa brasileira Braskem e a petroquímica venezuelana Pequiven para a construção de empresas de processamento de polietileno, propileno e PVC, na Venezuela. Ele também mostrou as plantações de soja na Venezuela com sementes brasileiras.

Lula disse ter ficado feliz em ver que a Venezuela está se desenvolvendo em outras áreas e recuperando o tempo perdido, quando só pensava em vender petróleo. “É muito dinheiro, é muita riqueza. Portanto, o povo da Venezuela tem o direito de sonhar que esse petróleo e a industrialização vinda dele vai permitir que o povo da Venezuela possa ter um futuro extremamente melhor no século 21 que no século 20”, afirmou o presidente.

Fontes