Lula diz que a carga tributária no Brasil está muito distante das mais elevadas do mundo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

14 de julho de 2009

Brasil


Em coluna semanal publicada hoje (14) em jornais, o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que a carga tributária brasileira “está muito distante das mais elevadas do mundo”, em resposta a um leitor que questiona quando os tributos brasileiros deixarão de ser os mais elevados do planeta.

O presidente cita países onde a carga tributária é maior do que no Brasil, como Bélgica, Suécia e Dinamarca e diz que é a arrecadação desses impostos que permite ao governo brasileiro tocar programas que geram crescimento, empregos e inclusão social. Ele aponta que de 2002 a 2008 a proporção de miseráveis nos grandes centros urbanos caiu de 35% para 25%, de acordo com um estudo da Fundação Getúlio Vargas.

Lula lembra que o governo tem reduzido impostos em setores-chaves da economia como o de veículos e construção civil para aquecer a economia em um momento de impacto da crise financeira mundial.

Outro tema abordado é o reajuste diferenciado entre o salário mínimo e os proventos de aposentados e pensionistas que, segundo o leitor, “reduz o poder aquisitivo dos beneficiários”. O presidente Lula diz que “com a política do nosso governo de reajustar o mínimo acima da inflação, todos os que ganham o piso (piso previdenciário no valor do salário mínimo) tiveram aumento real de 65% desde 2003” e que o governo está em negociação com as centrais sindicais para definir um novo percentual de aumento para os aposentados que ganham acima do salário mínimo. A coluna O Presidente Responde atende a sugestões de perguntas enviadas por leitores de 115 jornais. Toda a semana o presidente dá respostas a três destas perguntas de leitores.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com