Lula diz que G20 está consagrado como fórum de discussão em substituição a G8

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

28 de setembro de 2009

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva considerou a última reunião do G20, na última semana, uma “consagração” de que este deve ser o fórum para discutir a crise econômica mundial, em substituição ao G8. No programa semanal Café com o Presidente, ele ressaltou a importância de o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ser favorável a que os 20 países mais ricos do mundo, e não apenas os oito primeiros, decidam juntos o que fazer sobre a crise financeira internacional.


Aquilo que a gente dizia no primeiro encontro, em Washington, no ano passado, foi consagrado agora, com a posição do presidente Obama, de que o G20 deve ser o fórum para discutir a questão econômica mundial. É o G20 na prática substituindo o G8. Essa foi a primeira grande conquista.
'


A segunda conquista do encontro que ocorreu em Pittsburgh, nos Estados Unidos, segundo Lula, foi o aumento do número de países emergentes no Fundo Monetário Internacional (FMI). O Brasil, junto com outras nações em desenvolvimento, queriam que sete emergentes entrassem no fundo. No fim, o acordo firmado com os líderes mundiais permitiu que cinco países fossem incluídos. “Qualquer negociador sabe que quem reivindica sete e conquista cinco, é uma vitória extraordinária.”

O presidente também falou sobre o aumento da participação dos emergentes no Banco Mundial. A proposta deles, incluindo o Brasil, era de que a participação fosse de 6%. “Na véspera do encontro, o Obama disse que não era possível negociar o Banco Mundial, que não tinha tido acordo. E o que aconteceu no dia seguinte é que de manhã nós conseguimos fazer com que aumentasse a participação dos emergentes em 3% nas cotas do Banco Mundial.”

Para Lula, esses três pontos mostram que “não há dono da verdade” no mundo, e que agora, mais países sentam juntos para negociar e discutir os problemas comuns.


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati