Lula: sucesso do acordo com o Irã depende da disposição da ONU para negociar

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

19 de maio de 2010

Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que depende do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) sentar com disposição de negociar o acordo que o Brasil e a Turquia conseguiram com o Irã. “Se sentar sem querer negociar, vai voltar tudo à estaca zero.”

Segundo Lula, o acordo é “exatamente o que os Estados Unidos queriam fazer há cinco, seis meses”. Ontem, os Estados Unidos entregaram ao Conselho de Segurança da ONU uma proposta de sanções ao Irã, com o apoio dos outros países que têm vaga permanente no grupo.

Lula tem falado pouco sobre o acordo. Depois que voltou de Teerã e foi para Madri, apenas comentou em discursos a repercussão da promessa feita pelo Irã. Ao responder a jornalistas sobre a mudança de posição da Rússia e da China sobre as sanções – os dois países deram apoio ao acordo e depois ficaram do lado norte-americano – Lula limitou-se a dizer que “são grandes amigos”.

Em discurso no seminário Aliança para Nova Economia Global, o presidente brasileiro criticou a ONU e disse não concordar com a atual governança global. “Apesar de 140 países terem assinado a reforma das Nações Unidas, quem já está sentado na cadeira não quer mudar”, destacou.

Lula ainda disse que há países que não querem que a ONU seja fortalecida. Para ele, há quem pense que, quanto mais fracas forem as Nações Unidas, mais decisões serão unilaterais, predominando a ideia dos países mais fortes. E concluiu: “Se a ONU continuar assim, nós vamos ter problema sério de governança global”.

Também sobraram críticas para os países que não socorreram rapidamente a Grécia, que enfrenta forte crise econômica. O presidente brasileiro disse não entender por que países como a Alemanha demoraram tanto tempo para resolver o problema do vizinho grego.

Ele defendeu o presidente do governo espanhol, w:pt:José Luís Zapatero, diante da recessão econômica que o país vive. Lula afirmou que os responsáveis não assumem a culpa. “Essa crise é mais profunda. O responsável por essa crise finge que não é com ele.”

Lula alertou que a crise na região ainda não passou e não se sabe os seus efeitos. Ele comparou a situação com o vulcão da geleira Eyjafjallajoekull, na Islândia, Norte da Europa: “A crise tá que nem o vulcão na Islândia: todo dia soltando um pouquinho de fumaça preta, atrapalhando o [tráfego] aéreo”.

O seminário do qual Lula participou em Madri reuniu empresários, políticos e intelectuais espanhóis e serviu para atrair investidores para o país. Lula deu garantia de que as eleições no Brasil não vão desviar a política econômica adotada.

“Tenho a convicção de que vou eleger a minha candidata”, disse o presidente, referindo-se à ex-ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à Presidência da República. Para ele, “essa ex-guerrilheira [Dilma, que foi militante de um grupo de combate à ditadura militar] pode ser a próxima presidente da República”.

Logo em seguida, também se lembrou dos outros candidatos. Afirmou que Marina Silva, pré-candidata do PV, já foi de seu partido e também ministra do governo. Sobre o candidato tucano, José Serra, Lula disse todos o conhecem por aqui: “O Serra, apesar de ser do PSDB, é amigo de todo mundo aqui”.

Ele concluiu, tranquilizando os investidores espanhóis: “Acho que será muito difícil quem ganhar as eleições mudar o Brasil para que volte ao que era antes, não existe espaço. O Brasil aprendeu a ser sério.”

Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati