Luanda: Tiraram-lhes a terra em troca de promessas vazias

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

Acusação é de camponesas do Quilómetro 44.

10 de dezembro de 2014

Tiraram-lhes a terra em troca de promessas vazias, acusam mais de 200 camponesas da zona do quilometro 44, Icolo e Bengo, reclamam pelas suas lavras destruídas há dois anos na área de Mbanza Quitele por elementos ligados à Administração local.

As senhoras queixam-se que na altura houve a promessa que receberiam parcelas de terras para cultivar numa outra área porque ali o Governo construiria vários empreendimentos,para beneficio das próprias camponesas mas passados dois anos tudo ficou pela promessa.

As camponesas cultivavam aquelas terras que ficam a 44 quilómetros de Luanda, desde 1985, e em 2012 foram surpreendidas por homens que apareceram em nome do Governo com tractores e destruíram todas as culturas ali existente.

"Entraram com maquinas niveladoras, cavaram um grande buraco e pegaram as mangueiras, mandioqueiras, cajueiros atá a casa dos camponeses enterraram”, disse Domingas Sabino que acrescentou que uma camponesa morreu devido a essas acções.

“Com desgosto uma senhora caiu e acabou por morrer", contou Domingas Sabino que questionou a utilidade de um seminário realizado recentemente pelo Governo sobre o problema dos terrenos.

"Houve o seminário sobre terras, na segunda-feira, mas na ultima sexta-feira voltaram as máquinas aqui na área para destruir as nossas culturas e até à data presente continuam a destruir, somos 209 camponesas", afirmou.

As camponesas pedem ajuda ao Presidente da República, para resolver a situação. "Gostaríamos pedir ao Presidente da República José Eduardo dos Santos para apelar aos administradores municipais a que removam estes projectos de condomínio que só nos prejudicam”, disse Joana da Silva.

“Deixem o povo com suas lavras a trabalhar a vontade", conclui.

A VOA tentou contactar a Administração local mas sem qualquer sucesso.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati