Saltar para o conteúdo

Lobão critica OEA por ingerência em Belo Monte

Fonte: Wikinotícias

Agência Brasil

7 de abril de 2011

Email Facebook X WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, criticou a posição da Organização dos Estados Americanos (OEA), que, por meio da Comissão de Direitos Humanos da Organização, sugeriu ao governo brasileiro que suspendesse as obras da Usina Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará.

Segundo Lobão, o governo brasileiro não precisa de mais fiscais para decidir o que deve ou não ser feito para aumentar a capacidade de geração de energia elétrica no país.

Lobão afirmou que o governo brasileiro já vem fazendo tudo “rigorosamente dentro da lei” no que diz respeito à construção de novas usinas. “Os procedimentos legais estão sendo respeitados, há intensa fiscalização do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), da sociedade e do Ministério Público”.

Ele acrescentou que “não precisamos de mais fiscais para fazer o que estamos fazendo. Se estivéssemos cometendo algum ato de ilegalidade, ou algum dano, tudo bem. Mas nada disto está acontecendo”.

Para o ministro, não há obras mais fiscalizadas, ou mais criticadas, do que as que envolvem a construção de hidroelétricas no país. Lobão disse que o Brasil necessita “desesperadamente” dessas obras, uma vez que a alternativa às hidrelétricas seria as térmicas a diesel, ou a carvão, que aumentariam o custo da energia e contribuiriam para a poluição do meio ambiente.

As declarações do ministro foram dadas na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, onde ele participou da solenidade de entrega do Conjunto de Medalhas do Mérito Pedro Ernesto.

Fontes[editar | editar código-fonte]