Liberdade de imprensa volta a debate em Moçambique

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Moçambique.

Agência VOA

Julgamento de economista e jornalista agitam sociedade moçambicana.

23 de julho de 2015

O julgamento previsto para o início de Agosto do economista Nuno Castel Branco e o editor do Mediafax, Fernando Banze (ou Fernando Mbanze) está a agitar a agenda moçambicana. Em causa está a própria liberdade de imprensa.

O especialista em imprensa Machado da Graça diz ser importante que o julgamento do economista Nuno Castel Branco aconteça porque vai ser uma oportunidade para se levantarem algumas questões que colocam em causa as liberdades de expressão e de imprensa em Moçambique.

O académico deverá ser julgado pelos crimes contra a segurança do Estado e abuso de liberdade de imprensa, relacionados com uma opinião sobre o antigo Presidente moçambicano, Armando Guebuza.

Machado da Graça considera este caso como muito complexo porque Nuno Castel Branco vai ser jugado por ter publicado o texto no seu Facebook, afirmando, no entanto, não saber qual é a legalidade disso.

Mas, segundo o analista, independentemente disso, não deixa de ser estranha a insistência do Ministério Público neste caso "porque o artigo da lei que é invocado para a acusação foi abolido pelo novo código penal".

Para o analista, não existe, neste momento, lei que possa ser aplicada neste julgamento. De qualquer forma, destacou Machado da Graça, “creio que irá ser interessante se o julgamento acontecer, porque vai ser oportunidade para lavar alguma roupa suja que anda por aí a precisar de ser lavada".

Juntamente com o economista, vai ser julgado também o editor do diário moçambicano Mediafax, Fernando Banze.

Machado da Graça diz crer que a defesa esteja preparada para levantar as questões que se colocam, relacionadas com a liberdade de expressão e de imprensa e que precisam de ser esclarecidas, afirmando que talvez este julgamento seja a oportunidade para o fazer.

Refira-se que o Tribunal Judicial do Distrito Municipal Kampfumo marcou para o dia 3 de Agosto o julgamento deste caso, que envolve também o director do semanário Canal de Moçambique, Fernando Veloso.

Entretanto, sabe-se que a defesa pediu o adiamento do julgamento para o dia 31 do mesmo mês.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati